16/02/2022

Prevista para quarta-feira, votação dos projetos dos combustíveis poderá Prevista para quarta-feira, votação dos projetos dos combustíveis poderá

 Prevista para quarta-feira, votação dos projetos dos combustíveis poderá Prevista para quarta-feira, votação dos projetos dos combustíveis poderá


O relator dos projetos que tratam da tributação de combustíveis no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN), disse há pouco que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), irá ampliar o prazo para apresentação de emendas, que se encerraria nesta terça-feira (15). Com isso, Prates admitiu que existe a possibilidade de a votação, prevista quarta-feira (16), ser adiada.

Mais ceco, Prates divulgou uma nova versão do seu parecer para o PLP 11, de 2020, projeto aprovado pela Câmara dos Deputados que trata da cobrança monofásica do ICMS sobre os combustíveis. O relatório do parlamentar petista estendeu a monofasia do tributo -- quando a carga tributária é cobrada uma única vez, sem efeito cascata -- para a gasolina. Inicialmente, ele previa essa possibilidade apenas para o diesel e o biodiesel.

A mudança no texto veio à tona após a reunião de líderes realizada ontem, quando as bancadas discutiram as mudanças implementadas pelo relator. Jean Paul também rejeitou a imposição de um teto para cobrança do ICMS, como havia sido aprovado pelos deputados.

"De um lado, introduzimos a monofasia de ICMS para a gasolina, o diesel e o biodiesel. Com a implantação da nova sistemática, haverá ganhos de eficiência, redução de fraudes, desburocratização do setor e trilho rumo à simplificação desejada por meio da reforma tributária", explicou o senador petista no parecer.

"A medida conta com a simpatia dos governadores, pois apresenta alguns fatores que diminuem a resistência à sua implementação. Os preços do diesel e do biodiesel afetam diretamente o custo dos fretes e a renda dos caminhoneiros autônomos e das empresas de logística e transporte de cargas, como também o preço da tarifa do transporte público coletivo urbano", complementou.

O texto também determina que as alíquotas serão uniformes em todo o território nacional e serão definidas mediante deliberação entre os Estados e o Distrito Federal. Os governadores também poderão optar por uma alíquota "ad rem", quando a cobrança do ICMS é feita a partir de um valor fixo por litro, ou continuar no modelo atual, "ad valorem", que utiliza um porcentual sobre o valor do preço.

O parecer também trouxe novidades em relação ao chamado vale-gás, que visa instituir subsídio para famílias de baixa renda na compra do botijão de GLP, o gás de cozinha. Jean Paul Prates sugere ampliar atendimento para 11 milhões de famílias em 2022. Este número é o dobro da meta de atendimento em relação aos valores originalmente aprovados na Lei Orçamentária Anual (LOA). Nas estimativas do relator, para atender a esse público adicional, será necessário elevar o orçamento do programa para R$ 1,9 bilhão.

"Indicamos como fonte para essas despesas os recursos arrecadados com os bônus de assinatura dos campos de Sépia e Atapu que, excluindo-se os valores destinados aos entes subnacionais, somam R$ 3,4 bilhões. Além disso, o projeto prevê a possibilidade de uso de outras fontes", argumentou o senador.



Fonte: Valor Econômico

Notícias Relacionadas
 Multilog faz mais uma aquisição e antecipa marca do bilhão

02/12/2022

Multilog faz mais uma aquisição e antecipa marca do bilhão

Cinco meses depois de comprar a Martins & Medeiros, a Multilog acaba de fechar a aquisição da Apoio Logística, que pode adicionar mais 15% de faturamento no ano que vem. A operadora (...)

Leia mais
 Wilson Sons, Hidrovias do Brasil e Santos Brasil realizam evento inédito para debater perspectivas do setor

02/12/2022

Wilson Sons, Hidrovias do Brasil e Santos Brasil realizam evento inédito para debater perspectivas do setor

Pela primeira vez na história do mercado financeiro brasileiro, a Wilson Sons (PORT3), Hidrovias do Brasil (HBSA3) e Santos Brasil (STBP3), companhias listadas no segmento do Novo Mercad (...)

Leia mais
 CNT lança análise dos investimentos públicos federais em infraestrutura de transporte de 2001 a 2021

01/12/2022

CNT lança análise dos investimentos públicos federais em infraestrutura de transporte de 2001 a 2021

Em quais finalidades foram aplicados os investimentos públicos federais em infraestrutura de transporte nos últimos 21 anos? Quais as fontes de recursos para a área e qual a sua destinaç (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.