24/02/2021

Para especialistas, aspectos trabalhistas do BR do Mar carecem de revisão

 Para especialistas, aspectos trabalhistas do BR do Mar carecem de revisão


O aspecto trabalhista do Projeto de Lei (4199/2020), BR do Mar está entre um dos pontos mais polêmicos do PL que aguarda, para março, apreciação no Senado Federal. Para especialistas no assunto, a forma como o tema está sendo tratado no projeto pode provocar insegurança jurídica aos armadores e até mesmo não atender a proposta do governo federal pela baixa atratividade.

Para o diretor executivo da Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem (Abac), Luis Fernando Resano, embora o projeto buque oferecer segurança jurídica para que trabalhadores brasileiros possam ser contratados segundo as regras da bandeira do navio, análises realizadas indicam elevados riscos para as empresas de navegação e uma alta possibilidade de ações trabalhistas e muitas indenizações.

Desse modo, segundo ele, o que resta às Empresas Brasileiras de Navegação (EBNs) é contratar essa mão de obra segundo regras brasileiras, não havendo a desejada redução de custos operacionais. Ele entende, portanto, que não será um modelo atrativo caso o quantitativo de mão de obra brasileira seja elevado. O PL estabelece 2/3 de tripulantes brasileiros.

Ele destacou que são postos de trabalho que hoje não existem, mas que a vinda de navios estrangeiros afretados a tempo no BR do Mar poderá gerar alguns postos de caso a imposição de brasileiros não seja tão elevada. Assim, para ele, o avanço que precisa ser feito no projeto é na revisão do quantitativo mínimo para gerar empregos e manter a carreira de marítimos de máquinas e de convés, e que estes possam ascender aos postos mais elevados da sua profissão como Chefe de Máquinas e Comandante.

O advogado trabalhista e sócio da Advocacia Maciel, Tomaz Nina o entendimento atual é no sentido de que por ser mais benéfica do que a Convenção das Nações Unidas sobre Direito do Mar, Convenções Internacionais, inclusive ratificadas pelo Brasil, prevalece a CLT. Porém, ele acredita que isso traz insegurança jurídica que impacta diretamente na economia do segmento.

Nina afirma que ainda paira sobre a indústria marítima a desconfiança em razão da “celeuma jurídica” que poderá advir da contratação de brasileiros. Isso porque é comum a existência de tripulantes de diferentes nacionalidades em uma mesma embarcação não fazendo sentido, segundo ele, trabalhadores em iguais condições, desempenhando a mesma função, ter que solucionar conflitos trabalhistas sob o esteio de legislações distintas.

Ele avalia que em casos dessa natureza seria mais razoável priorizar a autonomia da vontade, aplicando-se a legislação escolhida pelas partes, dentre outras, a Convenção do Trabalho Marítimo da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a qual o Brasil é signatário.

Por esta razão, Nina entende que a emenda ao PL de haver precedência do acordo coletivo sobre as normas seja uma boa solução neste caso. Ele informou que o Supremo Tribunal Federal (STF) já fixou a tese de que acordo e convenções coletivas devem ser observados, ainda que afastem ou restrinjam direitos trabalhistas, independente da explicitação de vantagens compensatórias ao direito flexibilizado na negociação coletiva, prevalecendo o princípio da intervenção mínima na autonomia da vontade coletiva.

A Abac, por outro lado, não acredita que essa proposta ofereça a segurança jurídica necessária. Segundo Resano, os direitos trabalhistas constitucionais e a legislação trabalhista precisam ser respeitados para os brasileiros.

Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.