14/02/2022

Estoques baixos impulsionam preço global das commodities

 Estoques baixos impulsionam preço global das commodities


Os estoques de algumas das commodities mais importantes da economia mundial encontram-se nos menores níveis históricos, com a demanda aquecida e a escassez de oferta ameaçando alimentar pressões inflacionárias em todas as partes do mundo.

De metais industriais e energia até a agricultura, a corrida por matérias-primas e alimentos básicos está se refletindo nos mercados futuros, onde um grande número de commodities entrou em “backwardation”- uma estrutura de preços que sugere escassez \quando o preço para entrega no curto prazo excede o de longo prazo].

Os problemas são particularmente graves nos metais, onde os preços no mercado à vista (spot) de vários contratos na London Metal Exchange (LME) estão sendo negociados a valores maiores que os de entrega posterior, pois os traders pagam grandes prêmios para garantir fornecimento imediato.

“Este é o cenário de estoques mais extremo”, diz Nicholas Snow-don, analista do Goldman Sachs. “É um caso totalmente sem precedentes. Não há resposta da oferta.”

A escassez ocorre num cenário de inflação global persistentemente alta, alimentada por interrupções logísticas e pela demanda reprimida após as economias se recuperam dos “lockdowns” impostos contra a covid. Os preços ao consumidor nos EUA tiveram, em janeiro, a maior alta anual em quatro décadas, batendo nos 7,5%.

Os estoques de cobre nas maiores bolsas de commodities estão em pouco mais de 400 mil toneladas, o que representa menos de uma semana do consumo global. Os estoques de alumínio também estão baixos, pois produtores na Europa e na China foram forçados a reduzir a produção por causa da disparada dos custos de energia.

“Os estoques estão baixos, não só nos depósitos da bolsa, mas em toda a cadeia de abastecimento”, diz Michael Widmer, analista do Bank of America. “Há um colchão de segurança limitado no sistema.” O alumínio bateu na semana passada o maior preço em 13 anos, de mais de US$ 3.200 a tonelada, após o Goldman Sachs dizer que os estoques podem se esgotar até 2023.

Os cortes na produção são só um fator por trás da escassez de oferta, que levou o índice Bloomberg Commodity Spot Index, medida importante das matérias-primas, a subir mais de 10% desde o início do ano, atingindo um patamar recorde neste mês. Nove dos 23 contratos futuros que perfazem o índice estão em “backwardation”, segundo dados da Refinitiv.

Outros fatores da escassez incluem falta de investimentos em novas minas e campos de petróleo, clima ruim e restrições nas cadeias de abastecimento causadas pela disseminação da covid-19.

Na sexta-feira, a Agência Internacional de Energia (AIE) alertou que os preços do petróleo, que já são negociados acima de US$ 90 o barril, poderão subir ainda mais, à medida que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados têm dificuldade para retomar a produção após o pior da pandemia.

“Se a diferença entre a produção real da Opep e suas metas continuar, as tensões na oferta aumentarão, reforçando a probabilidade de mais volatilidade e pressão de alta sobre os preços”, disse a AIE.

Na Europa, os preços do gás também continuam altos em meio ao aumento das tensões geopolíticas envolvendo a Ucrânia e fluxos menores vindos da Rússia. Os estoques de gás no continente estão abaixo das médias sazonais, segundo a consultoria ICIS, especializada em commodities. “O risco de escassez até o fim do primeiro trimestre é remoto, mas o mercado terá de garantir uma oferta significativa durante o terceiro trimestre para evitar o retorno dessas preocupações no próximo inverno”, diz Thomas Rodgers, analista europeu da ICIS especializado em gás.

Nos mercados agrícolas, as reservas do café arábica, o grão de maior qualidade, caíram ao menor nível em 22 anos. As interrupções no fornecimento e as exportações menores dos produtores da América Central levaram os estoques do café arábica na bolsa de futuros ICE ao menor nível em mais de duas décadas, à medida que os compradores de café correm para assegurar seus suprimentos.

Carlos Mera, analista sênior do Rabobank, diz que até agora a queda dos estoques de café em 2022 é “surpreendente”. Uma queda maior poderá elevar significativamente “a possibilidade de um aumento descontrolado dos preços”.

Recentemente, os preços do arábica na ICE atingiram o maior patamar em 10 anos, de US$ 2,59 a libra-peso, um aumento de 13% desde o começo do ano e mais que o dobro do preço de um ano atrás.

As crises de oferta também estão atingindo outros mercados. O Citigroup estima que a demanda por lítio, matéria-prima vital na produção de baterias, superará a oferta em 6% neste ano por causa da vendas de mais carros elétricos.

O carbonato de lítio para baterias subiu mais de 400% em 2021, para mais de US$ 50 mil a tonelada. Com os estoques limitados, analistas dos Citigroup acreditam que preços “extremos” serão necessários para “destruir a demanda” e equilibrar o mercado.



Fonte: [Valor Econômico

Notícias Relacionadas
 ABOL participa de Congresso sobre o mercado de carbono

20/05/2022

ABOL participa de Congresso sobre o mercado de carbono

A ABOL marcou presença no Congresso Mercado Global de Carbono, que teve início na última quarta-feira (18), no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. A Associação foi representada pela dire (...)

Leia mais
 Pesquisa sobre Mulheres na indústria marítima mostra desigualdade entre gêneros

20/05/2022

Pesquisa sobre Mulheres na indústria marítima mostra desigualdade entre gêneros

O emprego feminino continua baixo em funções marítimas, de acordo com dados da IMO e da primeira pesquisa de mulheres no mar da WISTA. Mas a representação feminina é forte em alguns seto (...)

Leia mais
 BBM Logística segue em forte ritmo de expansão e atinge novo recorde de faturamento

20/05/2022

BBM Logística segue em forte ritmo de expansão e atinge novo recorde de faturamento

A BBM Logística, um dos maiores operadores logísticos do modal rodoviário do Mercosul, anunciou recentemente os resultados do 1º Trimestre do ano de 2022, que foi marcado pelo faturament (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.