28/02/2024

13% do PIB do País é gasto em logística, afirma empresário do setor

 13% do PIB do País é gasto em logística, afirma empresário do setor



A colisão entre um caminhão e um trem, ambos carregados, no dia 18 deste mês, em Rolândia (PR), foi mais um retrato de situações que atrasam entregas e elevam o custo de logística no Brasil. Com o acidente, houve sérias avarias no caminhão (que cruzou a linha férrea), na locomotiva (que descarrilou com o choque) e em uma residência, invadida por uma parte da composição. Nesse episódio não houve vítimas, e os prejuízos foram apenas financeiros, mas nem sempre é assim.


Seja por descuido dos motoristas, problemas na infraestrutura ou falhas mecânicas, o número de mortes por acidentes nas estradas federais vem crescendo continuamente desde 2020. De acordo com o Painel de Acidentes Rodoviários da Confederação Nacional do Transporte (CNT), foram 5.293 mortes em 2020; 5.396 em 2021; 5.439 em 2022 e 5.605 no ano passado. Em 2022, 2.448 pessoas perderam a vida em acidentes envolvendo caminhões, o que representa 45% das ocorrências no ano, segundo o Anuário Estatístico da Polícia Rodoviária Federal de 2022.


“É como 28 aviões caindo cheios por ano. Se caíssem 28 aviões, todo mundo ficaria horrorizado”, compara o CEO da nstech, Vasco Oliveira. Ele acrescenta que, como se trata de acidentes com caminhões, pouco se fala sobre o assunto. Além da perda de vidas, Oliveira chama atenção para o custo. “No Brasil, 13% do PIB é gasto com logística, contra 8% nos Estados Unidos.”


Problemas de infraestrutura, como condições das estradas, estão fora do controle da iniciativa privada. Mas empresas como a nstech – que segundo Oliveira é a maior da América Latina voltada para tecnologia em transporte – agem para melhorar a eficiência de companhias que atuam no segmento, sejam transportadoras, embarcadores (os donos da carga) ou mesmo caminhoneiros autônomos.


O executivo diz que, no Brasil, o principal problema está na produtividade. Segundo ele, em 40% do tempo os caminhões rodam sem carga ou estão parados. “Caminhão para ser produtivo precisa estar sempre rodando e cheio. Nossas tecnologias ajudam nisso”, diz.


No ano passado, a empresa lançou uma plataforma batizada de Open Logistics, com soluções integradas para a cadeia logística.


Uma das soluções desenvolvidas pela nstech é um software que ajuda a conexão e a automatização da relação entre os agentes da logística. O exemplo que ele usa é o programa que a empresa desenvolveu para a Rumo – maior operadora de ferrovias do Brasil, dona do trem envolvido no acidente com o caminhão no Paraná.


Oliveira informa que a empresa tinha um problema com a “enorme fila de caminhões” que se formava nos terminais da companhia, à espera do desembarque. “Hoje, todo terminal é automatizado.”


‘Reserva em restaurante’


De acordo com o executivo, o sistema funciona de forma semelhante aos aplicativos que possibilitam reservar horário em um restaurante. “É possível fazer agendamento com a transportadora ou o caminhoneiro, como se fosse uma reserva em um restaurante”, afirma.


“Quando o caminhoneiro chega, é liberado na portaria por meio de reconhecimento facial. A cancela abre e a balança faz a pesagem da carga automaticamente”, garante.


Ele informa que no auge da safra de grãos mais de 2 mil caminhões levavam carga diariamente para desembarque, movimento que às vezes, segundo ele, gerava espera de “alguns dias”.


“Ajudamos os clientes a crescerem mais, gastando menos e de forma mais sustentável.” A Rumo transporta 28% do volume de grãos exportados pelo Brasil.


Oliveira diz que, graças ao programa, que realiza o que ele chama de “orquestração” da logística, o tempo médio de espera do caminhão caiu em até 45%, enquanto custos com estadia recuaram 70%.


Entre outras funções, o software da nstech também ajuda na gestão da jornada de trabalho do motorista. Oliveira diz que, de acordo com a Lei do Caminhoneiro, o período de espera entre carga e descarga deve ser computado como período de trabalho.


Além disso, o programa desenvolvido pela empresa monitora as ações do motorista ao volante, o que serve para educar e inibir condutas indesejadas (excesso de velocidade ou distrações, como mexer no celular enquanto dirige, por exemplo). Com isso, ele afirma que consegue reduzir acidentes em mais de 90%.


O executivo – que teve empresa de operação logística antes de investir em uma companhia voltada ao desenvolvimento de tecnologia para o setor – prevê que no futuro a logística deverá ser cada vez mais automatizada, tanto “da porta para dentro como da porta para fora” da empresa.


Ele também acredita que o segmento será mais “colaborativo”, inclusive entre concorrentes. Oliveira define como logística colaborativa a operação de compartilhamento entre diversos usuários, mesmo entre concorrentes.


Para exemplificar, ele cita o sistema Banco24Horas, em que várias instituições bancárias compartilham o mesmo serviço de logística e pontos de atendimento. Ele também garante que a inteligência artificial terá papel importante para a logística.


Fundada há três anos em São Paulo, a nstech já está presente em 15 países. Além das Américas (do Norte, Central e do Sul), Oliveira informa que atua em Portugal e Angola. No Brasil, a empresa tem sede na capital paulista e escritórios em mais 20 cidades de diversos Estados.


Ele diz que, dos 4 mil funcionários, 800 estão ligados à área de tecnologia. No último ano, o executivo informa que a receita recorrente alcançou R$ 800 milhões.


Fonte: Estadão



Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.