18/02/2022

Clima e logística ditam ritmo da safra

 Clima e logística ditam ritmo da safra


Se em 2020 a bienalidade positiva do café brasileiro gerou recorde de colheita, com 72 milhões de sacas – 53 milhões de arábica e 19 milhões de conilon –, o ano passado fez jus à menor expectativa de produção. O período 2021/22 começou sob altas temperaturas com períodos de seca mais intensos, e as condições climáticas apertaram ainda mais com as geadas que caíram sobre os cafezais nos meses de junho e julho. A previsão é de 56,7 milhões de sacas para a temporada atual, de acordo com o Rabobank. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estima produtividade de 26 sacas por hectare, redução de 22,2% em relação à safra passada. É possível que os danos climáticos persistam até o próximo período e a tão aguardada supersafra de 2022 dificilmente se concretize.

Além do clima, há outras variáveis na equação do mercado de café. Para o diretor-geral do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), Marcos Matos, “há dificuldades na saída dos produtos por conta das limitações de logística”. A falta de contêineres e de espaço nos navios impediu embarque de 3,7 milhões de sacas, entre janeiro e outubro de 2021. Os problemas no escoamento da produção impedem que se aproveite o mercado aquecido e reduzem a entrada de dinheiro no País. “Estamos exportando, mas poderíamos fazer mais se não fosse essa crise operacional”, afirmou. Segundo o executivo, o Brasil perdeu receita cambial de US$ 600 milhões em decorrência desse cenário.

Para o analista setorial do Rabobank, Guilherme Morya, enquanto os gargalos logísticos não forem amenizados, a comercialização de café ainda enfrentará dificuldades. “A alta no custo dos contêineres, a disponibilidade e o cancelamento dos bookings acabaram impactando esse fluxo do grão”. Safra recorde em 2022 poderia ser tanto boa notícia quanto problema. “Não conseguiríamos exportar”, afirmou Matos, diretor do Cecafé. A dobradinha clima e logística deve ditar o ritmo do ano.

Pela perspectiva do produtor, preço e receita tendem a continuar fortalecidos até o fim do primeiro semestre. Morya, do Rabobank, no entanto pondera, “Não podemos nos esquecer dos custos de produção, que subiram consideravelmente”. Para o analista, será mais importante que o cafeicultor avalie com rigor o melhor momento tanto para adquirir insumos quanto para vender sua produção, e dessa forma compor uma boa margem. Será um ano analítico e a saída é ter os custo na ponta do lápis.

O cenário traz desafios, incertezas e preocupação, mas apesar dessa combinação, caminha para estabilidade. Matos, do Cecafé, lembra que desempenhos recentes foram positivos, “convivemos com irregularidades climáticas desde 2013 e isso não impediu as safras de 2016, 2018 e 2020”, disse. O executivo afirmou que não acredita em produção recorde neste ano, mas não descarta a possibilidade para 2023. Se as condições das lavouras ainda não são ideais, enquanto o solo se recupera das secas e geadas, a chegada das chuvas em novembro do ano passado trouxe um respiro para os cafezais. As previsões da safra de 2022/23 apontam colheita com aproximadamente 63,5 milhões de sacas, e pode melhorar. De acordo com o relatório do IPEA, se as chuvas se mantiverem nas regiões cafeeiras no momento de floração, é possível reestabelecer a produção ao patamar de 72 milhões de sacas registradas em 2020.



Fonte: Dinheiro Rural

Notícias Relacionadas
 Multilog faz mais uma aquisição e antecipa marca do bilhão

02/12/2022

Multilog faz mais uma aquisição e antecipa marca do bilhão

Cinco meses depois de comprar a Martins & Medeiros, a Multilog acaba de fechar a aquisição da Apoio Logística, que pode adicionar mais 15% de faturamento no ano que vem. A operadora (...)

Leia mais
 Wilson Sons, Hidrovias do Brasil e Santos Brasil realizam evento inédito para debater perspectivas do setor

02/12/2022

Wilson Sons, Hidrovias do Brasil e Santos Brasil realizam evento inédito para debater perspectivas do setor

Pela primeira vez na história do mercado financeiro brasileiro, a Wilson Sons (PORT3), Hidrovias do Brasil (HBSA3) e Santos Brasil (STBP3), companhias listadas no segmento do Novo Mercad (...)

Leia mais
 CNT lança análise dos investimentos públicos federais em infraestrutura de transporte de 2001 a 2021

01/12/2022

CNT lança análise dos investimentos públicos federais em infraestrutura de transporte de 2001 a 2021

Em quais finalidades foram aplicados os investimentos públicos federais em infraestrutura de transporte nos últimos 21 anos? Quais as fontes de recursos para a área e qual a sua destinaç (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.