09/08/2022

Primeiro semestre de 2022 é marcado por recuperação dos Operadores Logísticos



Apesar de o primeiro semestre de 2022 ter sido marcado por momentos de tensão com impacto direto no setor de logística, como os conflitos no Leste Europeu, inflação global e aumento das taxas de juros no país, além dos novos reajustes no combustível, a Associação Brasileira dos Operadores Logísticos (ABOL) observa o período como de recuperação de volumes de várias mercadorias no nível pré-pandemia, com crescimento dos Operadores Logísticos em diversos aspectos. 


Os OLs de grande porte, com faturamento anual a partir de R$ 601 milhões, se mostraram mais resilientes diante das dificuldades impostas pelos constantes aumentos do diesel pela Petrobras e de "utilities" (energia, água).  A inflação reduziu sobremaneira o poder de compra do cidadão e, consequentemente, interferiu na demanda por operações logísticas.


“Temos observado um setor otimista, porém cauteloso, pois também vivemos um momento pré-eleitoral ainda bastante instável e indefinido. Seguimos acompanhando as mudanças e na defesa pela aprovação do Projeto de Lei 3.757/2020, que visa regulamentar a atividade do Operador Logístico no Brasil, trazendo mais segurança jurídica. Atualmente, ele tramita na Comissão de Viação e Transportes (CVT) da Câmara dos Deputados, que foi muito receptiva ao texto”, destaca a diretora presidente da ABOL, Marcella Cunha, que após mais de um ano à frente da Associação, mantém o tema como prioridade. 


Em contrapartida às expectativas otimistas do mercado, o grande desafio, aponta Marcella, será o de garantir investimentos robustos em pessoas, inovação e tecnologia - pilares essenciais para o desenvolvimento do setor - caso o cenário econômico brasileiro perdure. Ela observa que os atuais entraves precisam ser mitigados por políticas públicas mais estruturadas, permanentes e sistêmicas, ou seja, que impactem todos os elos da cadeia de suprimentos, do produtor ao consumidor final. 


“Os OLs nunca investiram tanto em tecnologias e inovação de processos para que os serviços ofertados fossem realizados da forma mais inteligente, eficiente e econômica possível e precisarão seguir essa tendência para acompanhar as constantes transformações, principalmente no que se refere ao comportamento de consumo”, afirma a diretora presidente.


Vale lembrar que os incrementos tecnológicos ganharam um boom principalmente no período pandêmico, devido ao aumento das vendas online gerado pelo isolamento social. O consumidor se tornou mais exigente e os OLs precisaram se adequar, focando no processo e melhorando a interface com fornecedores/clientes e a distribuição de última milha ("last mile"). 


Os dados apresentados na última edição da pesquisa com o Perfil do Operador Logístico mostram que quem atende o e-commerce investe mais em Integração Tecnológica com clientes e fornecedores (91% vs 85%); Veículos Elétricos (43% vs 9%); Drones (23% vs 6%); Realidade Expandida (17% vs 6%); Veículos Autônomos (14% vs 3%); Computação em Nuvem (80% vs 62%); Data Analytics, usando Machine Learning e Inteligência Artificial (43% vs 21%), e Blockchain (11% vs 6%). 


"De modo geral, o estudo revelou que em 2021 a maioria dos OLs realizou investimentos para melhorar a eficiência da operação e em softwares, e pretende seguir com o incremento até 2024", menciona Marcella. Os principais softwares utilizados pelos Operadores são o Transportation Management System (TMS) e o Warehouse Management System (WMS), que realizam o gerenciamento de transporte e armazenagem nas empresas. Elas já são consideradas tecnologias muito mais "habilitadoras" do que diferenciais, pois permitem a centralização das informações e a visualização de todas as operações logísticas, facilitando o controle e a tomada de decisão.


Segundo semestre


“Para este segundo semestre, a tendência é que a demanda por alguns serviços logísticos siga crescendo entre os diversos clientes, que vão desde a indústria de base e agronegócio ao grande varejo e e-commerce”, diz a diretora Executiva da ABOL. 


São eles: Transporte Rodoviário Fechado ("FTL"); Transporte Rodoviário Fracionado ("LTL"); Distribuição Urbana; Armazém Geral; movimentações como Separação ("picking") e Embalagem ("packing"); Controle de Estoques; Crossdocking; Logística Reversa e Consultoria e Projetos Logísticos customizados. 


“Os OLs oferecem grande diversidade de serviços e soluções, que vão além das atividades de transporte e armazenagem e boa parte é realizada de forma casada, ou seja, ofertados pela mesma empresa”.


Inclusive, nos últimos dois anos, houve um crescimento da demanda de alguns setores. Destacam-se os produtos de Cosméticos ("Personal Care"), atendido por aproximadamente 65% dos OLs e cujo aumento foi de 12% em relação a 2020; os Alimentos Processados (alta de 8%), e produtos Eletroeletrônicos (9%). 


Outros aumentos significativos no mesmo período foram do Comércio Eletrônico (16%) e Produtos de Limpeza (14%), refletindo o comportamento de consumo resultante dos efeitos da pandemia, no qual as pessoas passaram a se preocupar mais com higiene e saúde e a transacionar mais pelas vendas online. 


SOBRE ABOL


A ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos tem como propósito consolidar a atividade do Operador Logístico no Brasil, fortalecendo institucionalmente esse importante mercado. Criada em 2012, a Associação reúne os 31 maiores players do setor, empresas nacionais e estrangeiras das mais diversas cadeias produtivas: Andreani, BBM, Bomi, Brado, Bravo, Coopercarga, DHL, Fedex, FM Logistic, Gafor, Gefco, Geodis, Grupo Toniato, Kothe, ID Logistics, JSL, Localfrio, Luft Pharma, Multilog, Mundial, Penske, Prosegur Log, RV Ímola, Santos Brasil, Sequoia, Solítica, Tegma, Tora, UPS, Veloce e Wilson Sons.



Notícias Relacionadas

03/10/2022

Na era pós-pandemia, setor de logística busca equilíbrio ao apostar no modelo híbrido de trabalho

Após dois anos de pandemia e um longo período de isolamento social, o modelo de trabalho híbrido já deixou de ser uma novidade. Mais do que isso, promete se tornar uma tendência entre as (...)

Leia mais

03/10/2022

Regulamentação dos Operadores Logísticos integra propostas para o desenvolvimento do setor de transportes

Pela primeira vez, a criação de um marco regulatório para os Operadores Logísticos integra as propostas elaboradas pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) para garantir o desenvol (...)

Leia mais

29/08/2022

Em meio à instabilidade de um ano eleitoral, Operadores Logísticos vivem a gestão do pós-pandemia

O ano é eleitoral e a política está no centro das discussões. Se não bastasse a instabilidade gerada por este cenário, ainda é preciso lidar com as mudanças oriundas do período pandêmico (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.