03/05/2024

Shein e DHL Supply Chain se unem em parceria logística

 Shein e DHL Supply Chain se unem em parceria logística



Quando a Shein constatou seu sucesso de vendas no Brasil, percebeu que sua operação logística precisava crescer de forma rápida e eficaz. Para isso, investiu na criação de um Receiving Center em parceria com a DHL Supply Chain.


“Todo o desenho técnico foi feito por nossos times de engenharia e de automação, desde a concepção da operação até os fluxos e processos. O layout logístico foi criado em parceria com a Shein para uma melhoria contínua e em atendimento às necessidades do consumidor brasileiro”, explica Gabriela Guimarães, VP de E-commerce e Varejo da DHL Supply Chain.


O serviço contratado foi de Inbound com o recebimento dos pacotes em sacas ou pallets. Após o recebimento da carga no Receiving Center, a equipe tem um prazo de três horas para realizar todo o processo estabelecido. Os pacotes menores e médios são direcionados ao sorter e logo depois seguem para o transporte. Os pacotes maiores passam por uma triagem em uma esteira manual, com separação feita pelo time da DHL.


A  empresa iniciou as atividades do Receiving Center com 400 colaboradores responsáveis pelo trabalho manual de separação dos pacotes. A estrutura tem 28 mil m2 e é localizada em Guarulhos. “Na segunda semana, já subimos a produtividade tanto no volume, quanto no número de pessoas. Com o start da automação, usando seis sorters para separação dos produtos e chegamos a 500 mil pacotes por dia”, explica Gabriela.


A parceria com a DHL Supply Chain representa mais um avanço em nossa cadeia de suprimentos. Estamos empenhados não só em fortalecer nossa rede logística, como também em proporcionar cada vez mais agilidade e eficiência aos nossos serviço, inclusive durante grandes picos de demanda”, afirma Felipe Feistler, country manager da Shein no Brasil.


A tecnologia teve papel fundamental no desenvolvimento de todo o projeto, principalmente com automação completa dos sorters com robôs, PDA (rádio frequência) e WMS (Sistema de Gerenciamento de Armazéns), mas o diferencial foi a capacidade de, em pouquíssimo tempo (2 semanas), contratar um efetivo temporário de mil pessoas para entregar o trabalho.


“A escalabilidade foi crucial em nossa proposta. Demonstrarmos a capacidade de erguer a operação com um volume alto em um espaço pequeno de tempo, associado a toda expertise em e-commerce, com a garantia da qualidade da operação e a possibilidade de, no futuro, agregar outras soluções como first mile e transportes no geral”, destaca Gabriela.


Fonte: Mercado e Consumo



Notícias Relacionadas
 Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

13/06/2024

Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

Indústrias no Rio Grande do Sul estão retornando paulatinamente a sua produção anterior às enchentes que assolaram o Estado no início de maio. Para uma retomada plena, no entanto, as emp (...)

Leia mais
 DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

11/06/2024

DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

A DHL Express está investindo R$ 23 milhões em um novo Gateway no Aeroporto de Viracopos em Campinas (SP). Este novo centro de processamento de cargas importadas será o maior da DHL Expr (...)

Leia mais
 Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

11/06/2024

Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

Pelo segundo ano consecutivo, a Tegma Gestão Logística elaborou e apresenta ao mercado seu Relatório Integrado, relacionando em detalhes as ações desenvolvidas pela companhia em sustenta (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.