24/08/2020

BR do Mar precisa tornar mais claras as condições do trabalho marítimo, diz Abac

 BR do Mar precisa tornar mais claras as condições do trabalho marítimo, diz Abac



_Projeto deve efetivar as regras na contratação de brasileiros pelas empresas estrangeiras de cabotagem_

A flexibilização para o afretamento de embarcações no projeto de lei (PL), BR do Mar, põe em discussão as condições do trabalho marítimo. A proposta é que navios afretados por tempo necessitam ter 2/3 de tripulantes brasileiros, porém, seguindo a legislação da bandeira do navio. Para a Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem (Abac), embora a regra tenha como objetivo reduzir custos operacionais é importante que seja efetivada no texto do projeto, para oferecer mais segurança jurídica ao operador.

A associação frisou que vem demonstrando preocupação que esta regra se torne “mais uma lei que não pega no país”. De acordo com a Abac, é necessário pensar com cautela na viabilidade operacional da cabotagem a partir do projeto, tendo em vista que o afretamento por tempo é uma solução engenhosa. “A solução agrada, mas a segurança jurídica é importante e, talvez, com uma nova redação do projeto seja melhor para evitar ações trabalhistas futuras”, afirmou.

Para a Abac, os aspectos operacionais também precisam ser discutidos de forma mais abrangente. Isso porque o país terá navios de bandeira estrangeira, mas com uma tripulação que será mista, ou seja, de brasileiros e estrangeiros. Sem contar que o regime trabalhista nas embarcações estrangeiras é diferente da usualmente adotada nas brasileiras, além de empecilhos relacionados à comunicação a bordo, culturas e hábitos distintos. Portanto, segundo a associação, todos esses fatores se apresentam como barreiras à operacionalização, o que pode comprometer a eficácia do projeto, demandando, assim, ajustes no texto.

A Convenção do Trabalho Marítimo (MLC), estabelecida em 2006, pode oferecer algum respaldo àquelas questões, segundo a Abac, porém, seria necessário “positivar” esta segurança na contratação de brasileiros pela empresa estrangeira, dentro da legislação do país de bandeira. O Brasil aderiu recentemente a MLC 2006, que estabelece a supremacia da legislação do país de bandeira.

Durante o evento online “Talk Show com Dino Antunes sobre BR do Mar: programa de estímulo ao transporte por cabotagem”, promovido pelo escritório Kincaid Mendes Vianna Advogados na última segunda-feira (17), o diretor do departamento de navegação e hidrovias do Ministério da Infraestrutura, Dino Antunes, ressaltou a importância da MLC 2006 para o sucesso do BR do Mar. Segundo ele, o vínculo do marítimo deve ser com a convenção, pois esta representa a instituição máxima de regulamentação do trabalho no mar.

“Esse ano a gente teve um avanço muito bom com a ratificação da MLC 2006 porque ela reforça o vínculo com o registro com base na bandeira e, principalmente, ela traz as condições especificas trabalhistas para o trabalhador do mar”, disse Antunes. Com a convenção ratificada, ele acredita que o país passa a ter mais robustez jurídica sobre os trâmites necessários aos contratos de trabalho. No entanto, ele destacou que o país de registro do trabalhador brasileiro precisa também ser signatário e respeitar as regras estabelecidas.

Fonte: Portos e Navios

Notícias Relacionadas
 Santos Brasil tem cerca de 250 vagas de trabalho abertas no Tecon Santos

20/02/2024

Santos Brasil tem cerca de 250 vagas de trabalho abertas no Tecon Santos

A Santos Brasil está com cerca de 250 postos de trabalho abertos no Tecon Santos – 200 delas, aproximadamente, para trabalhadores com registro ou cadastro no Ogmo/Santos (Órgão Gestor de (...)

Leia mais
 Governo definirá rede de rodovias mais relevantes do País e poderá federalizar estradas regionais

19/02/2024

Governo definirá rede de rodovias mais relevantes do País e poderá federalizar estradas regionais

O Ministério dos Transportes criou um grupo de trabalho que definirá a Rede Nacional de Integração (Rinter), um conjunto de rodovias consideradas as mais importantes do País. Na prática, (...)

Leia mais
 Mercado de galpões logísticos em SP tem recorde de locações em 2023

16/02/2024

Mercado de galpões logísticos em SP tem recorde de locações em 2023

O ano de 2023 foi recorde em termos de locações no mercado de galpões logísticos no Estado de São Paulo, de acordo com pesquisa da consultoria imobiliária JLL. O resultado indica demanda (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.