20/05/2022

Pesquisa sobre Mulheres na indústria marítima mostra desigualdade entre gêneros

 Pesquisa sobre Mulheres na indústria marítima mostra desigualdade entre gêneros



O emprego feminino continua baixo em funções marítimas, de acordo com dados da IMO e da primeira pesquisa de mulheres no mar da WISTA. Mas a representação feminina é forte em alguns setores da indústria marítima. Em média, 29% da força de trabalho total do setor hoje é do sexo feminino e 39% das funcionárias estão em cargos de gerenciamento intermediário.


Os resultados sugerem que o acesso e a participação das mulheres são desiguais de setor para setor. Em alguns setores de serviços profissionais — direito marítimo, seguro marítimo, marketing e publicidade — as mulheres representam cerca de metade da força de trabalho pesquisada. No setor offshore, as empresas respondentes relataram uma representação feminina de cerca de 4%. Abastecimento, levantamento, pesca, construção naval e reboque, todos ficaram abaixo de 15%.


As mulheres ainda representam menos de 2% da força de trabalho marítima em todo o mundo, e a maior parte do total está concentrada na indústria de cruzeiros. As empresas respondentes com sede na China, o maior país marítimo do mundo, relataram uma média de apenas 0,14% (76 tripulantes do sexo feminino de um total de 54.211).


A WISTA e a IMO também entrevistaram 45 estados membros para saber mais sobre a situação das mulheres empregadas por agências governamentais. Os dados sugerem que, entre os empregadores marítimos, os governos ficam no meio do grupo. Nas autoridades marítimas nacionais dos estados membros da IMO, a representação feminina foi em média de cerca de 20%. Nas divisões de busca e salvamento, a participação foi menor em cerca de 10%. Em comparação, as mulheres representam 33% do pessoal diplomático nos mesmos países.


A IMO e a WISTA pretendem repetir a pesquisa e compilar relatórios futuros para medir o progresso e orientar os esforços de capacitação.


"Como um primeiro instantâneo, esta pesquisa fornece evidências de quanto trabalho ainda precisa ser feito. Mas também nos mostra onde existem alguns pontos positivos. A indústria marítima pode ver por si mesma quais setores estão avançando com a diversidade e que não são", disse a presidente internacional da WISTA, Despina Panayiotou Theodosiou.


Fonte: Portos e Navios



Notícias Relacionadas
 Terminais da Santos Brasil batem recordes no mês de maio

24/06/2022

Terminais da Santos Brasil batem recordes no mês de maio

A Santos Brasil fechou maio com duas importantes marcas conquistadas, uma no Terminal de Veículos (TEV) e outra no Tecon Santos, ambos no Porto de Santos (SP). O TEV bateu recorde mensal (...)

Leia mais
 SP promove investimentos e melhorias em diversos modais de transportes e logística

24/06/2022

SP promove investimentos e melhorias em diversos modais de transportes e logística

Ciente da importância das estradas na vida dos cidadãos e para o desenvolvimento econômico das regiões por onde passam, escoando a produção, gerando crescimento, emprego e renda, o Gover (...)

Leia mais
 Vale combustível é um 'desaforo' para a categoria, dizem caminhoneiros

24/06/2022

Vale combustível é um 'desaforo' para a categoria, dizem caminhoneiros

O diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), Carlos Alberto Litti Dahmer, avalia que o voucher que pode ser criado pelo governo federal para a (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.