28/09/2023

Operadores logísticos tentam reduzir prazo de entrega

 Operadores logísticos tentam reduzir prazo de entrega



A expansão do e-commerce está relacionada à logística de “última milha” (last mile, o transporte do produto até o consumidor), movimentando varejistas, operadores logísticos e startups para estreitar prazos de entrega, aumentar a assertividade e reduzir custos.


De acordo com a edição de setembro da pesquisa Global Consumer Insights Pulse Survey, da PwC, 69% dos brasileiros devem aumentar suas compras on-line nos próximos seis meses, ante 50% da pesquisa anterior, realizada em fevereiro. A tendência está alinhada com a decisão de comprar mais de varejistas que oferecem serviços de entrega eficientes (57% dos respondentes, contra 48% há seis meses) e usar mais opções de compra on-line com retirada em loja (46%, mesmo índice de fevereiro).


“Isso mostra como a questão de last mile pode ser otimizada”, diz a sócia da PwC Brasil, Luciana Medeiros. Em fevereiro, uma das principais reclamações no Brasil em compras on-line era o processo de envio, com 43% dos entrevistados apontando prazo de entrega mais longo do que esperavam e 49% dizendo que pagariam mais por produtos fabricados localmente para ter entrega mais rápida.


Para atender o cliente com mais rapidez e menos custo (e obter vantagens tributárias), varejistas pulverizaram centros de distribuição pelo país e investiram em serviços de entrega e em alternativas como mini centros logísticos (dark stores), a exemplo de uso de lojas físicas, armários para entregas em locais de alto fluxo de clientes e micro lojas de conveniência para condomínios, diz Jean Melle, também sócio da PwC Brasil. No GPA, que fez parcerias com plataformas e aprimorou entrega própria rápida das marcas Pão de Açúcar e Extra, cerca de 700 lojas funcionam como pequenos CDs, principalmente de produtos perecíveis - segundo a PwC, 36% dos brasileiros pretendem ampliar compras on-line de alimentos. “Já realizamos entregas em até 30 minutos e 70% das compras on-line das nossas plataformas são entregues no mesmo dia”, afirma o diretor executivo de digital do GPA, Marcelo Rizzi.


Last milers fizeram caminho oposto. O Tubo, lançado em 2021 pela Rappi para entregar compras de supermercado em 10 minutos, em um ano tinha cerca de 130 dark stores com 1,5 mil itens disponíveis. A Daki, que nasceu há dois anos para entregar produtos de supermercado em até 15 minutos apoiado por dark stores, já captou perto de US$ 450 milhões. A empresa atua em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.


Carrefour e Grupo Mateus apostam em condomínios. O Express, do primeiro, atende compras por aplicativo com retirada em lojas autônomas e monitoradas por câmeras. O Grupo Mateus, por sua vez, criou em 2021 a Armazzem, que hoje tem cem unidades entre franquias e autoatendimento no Maranhão e no Pará. A Enxuto, no interior paulista, monta lojas em contêineres e testou até robô para levar compras até o consumidor.


Aquisições e especialização também estão na pauta. A Rappi comprou este ano a startup Box Delivery, para turbinar a entrega super-rápida de refeições. Em 2022, a Amazon adquiriu 9,68% da Total Express para reforçar a estratégia de última milha. A operadora Luft, especializada em e-commerce, farmácias e agro, fechou joint venture com a Selia para gerenciar operações desde a criação de sites até a entrega ao consumidor (full commerce).


O CIO da Luft, Gustavo Saraiva, destaca tendências como o crescimento da demanda por entregas no mesmo dia ou no dia seguinte, CDs mais próximos de clientes e tecnologia para otimização de rotas, monitoramento e comunicação em tempo real. A TempLog se especializou em cargas frias e produtos especiais farmacêuticos, com 25% das mais de 100 mil entregas ao ano chegando ao consumidor em até quatro horas.


“A especialização é um movimento recente”, diz Jhou Rodrigues, co-fundador da Associação Brasileira de Logtechs (ABLogtech) e CEO da Beelog, focada em last mile. Estudo com a Liga Ventures mostrou que, de 239 logtechs, 12,9% são voltadas a gestão de entregas, 11% a última milha, 10% a logística reversa, 4,8% a armários inteligentes e 1,2% a dark stores.


Dentre os desafios do setor para otimizar a última milha estão restrições ao trânsito de grandes cidades até alto custo de tecnologias como uso de dados e inteligência artificial, pontos avançados de coletas e entregas (Pudo, em inglês) -como lojas, armários e quiosques -, visibilidade em tempo real e posicionamento de estoque. “O uso intensivo de tecnologias aumenta a eficiência dos veículos e segurança dos processos”, afirma Amaury Vitor, OPS ground director da DHL Express.


Outro desafio é o custo. Há pouco compartilhamento de cargas em um mesmo caminhão, segundo Associação Brasileira de Operadores Logísticos (Abol). Só 35% das cargas são compartilhadas, e destas, apenas 8% têm como destinatário final pessoas físicas, o que encarece a operação.


Fonte: Valor Econômico



Notícias Relacionadas
 Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

13/06/2024

Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

Indústrias no Rio Grande do Sul estão retornando paulatinamente a sua produção anterior às enchentes que assolaram o Estado no início de maio. Para uma retomada plena, no entanto, as emp (...)

Leia mais
 DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

11/06/2024

DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

A DHL Express está investindo R$ 23 milhões em um novo Gateway no Aeroporto de Viracopos em Campinas (SP). Este novo centro de processamento de cargas importadas será o maior da DHL Expr (...)

Leia mais
 Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

11/06/2024

Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

Pelo segundo ano consecutivo, a Tegma Gestão Logística elaborou e apresenta ao mercado seu Relatório Integrado, relacionando em detalhes as ações desenvolvidas pela companhia em sustenta (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.