13/06/2024

Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

 Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS



Indústrias no Rio Grande do Sul estão retornando paulatinamente a sua produção anterior às enchentes que assolaram o Estado no início de maio. Para uma retomada plena, no entanto, as empresas ainda têm de recuperar as instalações afetadas pelas águas e enfrentar as dificuldades na logística devido ao bloqueio de estradas, o que dificulta a chegada de matéria-prima e o escoamento de produtos.


Segundo levantamento realizado na terça-feira (11) pela Secretaria de Logística e Transportes do Estado, 53 rodovias ainda estão bloqueadas total ou parcialmente, o que aumenta o tempo de deslocamento entre as regiões. Até o momento, já foram liberados mais de 100 trechos de mais de 40 rodovias estaduais. Com isso, estão liberadas todas as rotas necessárias para escoamento da produção e abastecimento das cidades.


Localizada no município de Carlos Barbosa, na Serra Gaúcha, região que sofreu o impacto de ter estradas e vias urbanas comprometidas, as fábricas Tramontina Cutelaria e TEEC tiveram dificuldade no recebimento de matérias-primas e insumos necessários para a produção e, também, no escoamento das mercadorias. As áreas administrativas e comerciais seguiram operando, com equipes reduzidas e permitindo trabalho remoto para aqueles que necessitavam. O escritório central seguiu com as operações presenciais, permitindo trabalho remoto em casos específicos.


Já as fábricas Tramontina Multi e Eletrik, também em Carlos Barbosa, e Tramontina Farroupilha e Garibaldi, nos municípios homônimos, seguiram operando normalmente.


“Como as demais empresas que atuam no Rio Grande do Sul, tivemos impacto nas operações. Ainda assim, conseguimos garantir a operação, com pequenos atrasos”, disse José Paulo Medeiros, diretor da Tramontina.


A empresa de calçados Beira Rio não está sofrendo nenhum atraso na entrega de mercadorias e no recebimento de matéria-prima, como afirma Roberto Argenta, presidente da companhia. Segundo o executivo, para conseguir cumprir os prazos estabelecidos, o setor de logística da empresa realizou estudos para mitigar o tempo necessário para o percurso dos caminhões, que em função da situação de algumas rodovias, ainda são obrigados a percorrer “rotas mais longas” em determinadas regiões do Rio Grande do Sul.


De acordo com Argenta, somente a unidade no município de Roca Sales, a 160 quilômetros de Porto Alegre, teve uma paralisação de 15 dias devido às enchentes. Mas a limpeza do local já foi feita e o espaço está funcionando plenamente, como antes das inundações. A Beira Rio tem um grande impacto na economia do município localizado no Vale do Taquari, pois emprega 700 funcionários diretamente e mais 1.100 indiretamente, além de responder por 55% do valor adicionado da cidade, que possui 10.418 habitantes, segundo o Censo de 2022.


Com a sede localizada em Caxias do Sul, município da serra gaúcha, a RandonCorp, grupo fabricante de reboques e semirreboques e com atuação também em autopeças, suspendeu de maneira preventiva suas atividades fabris entre os dias 2 e 6 de maio na cidade. Já a unidade Controil, da Frasle Mobility, em São Leopoldo, ficou sem operações presenciais do dia 3 até 27 de maio.


Além disso, outra unidade do grupo afetada foi a DB, da Rands (Vertical de Serviços Financeiros e Digitais). Embora sua estrutura física não tenha sido impactada, clientes suspenderam suas operações em razão dos alagamentos. A companhia afirma que, desde o início, adotou as medidas necessárias para adequar as operações aos cenários vividos, com monitoramento contínuo e priorizando a segurança dos funcionários.


Já a siderúrgica Gerdau informou que todas as operações no Estado foram retomadas, e a paralisação não causou impactos.


Outra dificuldade para uma retomada plena da produção foi a interrupção no abastecimento de água. Porém, de acordo com Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), desde o dia 21 de maio as operações de fornecimento estão normalizadas.


A Estação de Tratamento Rio Branco, localizada na cidade de Canoas, região metropolitana de Porto Alegre, foi a última a ser completamente reparada e retomar os serviços. Segundo a assessoria da Corsan, no momento, somente há suspensão do abastecimento em casos pontuais de rotina. No pico das cheias, no dia 4 de maio, eram 906 mil pontos sem água em todo o Rio Grande do Sul.



Notícias Relacionadas
 GLP investirá R$ 2,1 bilhões em novos galpões logísticos no Brasil

12/07/2024

GLP investirá R$ 2,1 bilhões em novos galpões logísticos no Brasil

A multinacional GLP, de Cingapura, investirá R$ 2,1 bilhões entre 2024 e 2026 no Brasil para a construção de novos galpões logísticos, um movimento que reforça a aposta da companhia na e (...)

Leia mais
 Antonio Wrobleski, presidente da BBM Logística, destaca a transformação digital que impulsiona o crescimento

12/07/2024

Antonio Wrobleski, presidente da BBM Logística, destaca a transformação digital que impulsiona o crescimento

Desde suas origens, há 27 anos, a BBM Logística percorreu um longo caminho, firmando-se como uma das cinco maiores operadoras logísticas do Brasil e do Mercosul. Com uma frota de 4,5 mil (...)

Leia mais
 Associações pedem votação do PL do Hidrogênio antes do recesso parlamentar

11/07/2024

Associações pedem votação do PL do Hidrogênio antes do recesso parlamentar

Associações setoriais pediram aos deputados federais celeridade na votação do projeto de lei 2.308/2023, aprovado no Senado, que estabelece o marco legal para o hidrogênio de baixo carbo (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.