28/09/2023

Empresas procuram reduzir emissões nas entregas

 Empresas procuram reduzir emissões nas entregas



Como conciliar a agenda ESG (de boas práticas ambientais, sociais e de governança) com o aumento das entregas de mercadorias decorrentes do crescimento do comércio eletrônico? Para as companhias de comércio on-line, o desafio envolve um esforço de busca por eficiência nas entregas, focado na redução de km rodados e, indiretamente, na diminuição dos gases de efeito estufa (GEE).


Para o Grupo Casas Bahia, a tarefa não tem sido simples, considerando-se a sua capilaridade. O grupo possui uma das infraestruturas logísticas mais robustas do país, com mais de mil lojas e 29 centros de distribuição espalhados por todo o país. No modelo adotado pelas Casas Bahia, as lojas funcionam como mini hubs logísticos. “Atualmente, o Grupo Casas Bahia chega em mais de 2,5 mil cidades brasileiras em um prazo de até 24 horas”, diz Sérgio Leme, chief supply chain & investor relations officer, communications and ESG da empresa.


Leme afirma que o grupo tem atuado na gestão de gases estufa, visando monitorar e mitigar as emissões de suas operações. “Temos trabalhado continuamente na evolução logística para redução do consumo de combustíveis fósseis”, diz. De acordo com ele, entre as iniciativas adotadas está a redução do uso de veículos pesados, substituídos na última milha por veículos mais leves e com maior eficiência na ocupação, nas rotas e no consumo de combustível.


O grupo também vem empreendendo uma descentralização das entregas com a criação de modelos como o Retira Rápido, em que os próprios clientes buscam suas compras on-line na loja física que lhe for mais conveniente, sem taxas, reduzindo um dos trechos de entrega.


Outra iniciativa é a revisão e otimização de rotas e divisão de cargas por veículo para ampliar a eficiência. Para isso, explica Leme, são utilizados softwares e tecnologias para garantir o melhor trajeto para cada veículo, reduzindo o volume de quilômetros rodados e evitando viagens adicionais ou deslocamentos de vários veículos nas mesmas regiões e horários.


“Desde 2019, elaboramos o inventário de GEE de toda a nossa operação no país visando quantificar nosso impacto em relação às mudanças climáticas e apoiar na elaboração de estratégias para mitigar esse impacto”, diz Leme. O inventário é elaborado segundo o programa brasileiro do GHG Protocol, que adota uma metodologia internacionalmente reconhecida para quantificar as emissões das companhias.


“Em 2022, considerando toda a operação do grupo, emitimos 80.881 toneladas de CO2, que representa uma redução de 15% em relação ao ano anterior”, destaca o executivo. “O escopo 3 desse levantamento, que inclui a logística, representa cerca de 85% do total das nossas emissões.”


No Magalu, as emissões transporte e distribuição somaram 165.700 toneladas de CO2 e em 2022, de acordo com o último relatório de sustentabilidade divulgado pela companhia, uma queda de quase 20% em relação ao ano anterior.


“Sabemos que a malha logística do Brasil é extremamente dependente do modal rodoviário. Por isso, cabe a nós, como empresa, avançar de forma mais célere, pois a agenda de clima pede urgência”, afirma Ana Luiza Herzog, gerente corporativa de reputação e sustentabilidade do Magalu.


As iniciativas visando a redução das emissões estão focadas na busca por maior eficiência na distribuição dos produtos, de forma que os trajetos de entrega final sejam mais curtos e feitos por modais menos intensivos em emissões. “Para otimizar os percursos de distribuição de produtos, o Magalu reduziu a frequência das rotas de abastecimento de lojas. Além disso, após estudo, dezenas de lojas passaram a ser abastecidas por centros de distribuição mais próximos”, complementa Herzog.


Após a adoção dessas medidas, os veículos de transporte deixaram de percorrer 1,9 milhão de km, o que evitou a emissão de 1.400 toneladas de CO2 equivalente, de acordo com a empresa. Houve também um aprimoramento da operação de entrega de “ship from store” (SFS), na qual o produto é despachado do estoque da loja mais próxima do cliente.


“Ao habilitar endereços estratégicos nessa operação, houve o aumento do volume de entregas rápidas, com rotas mais inteligentes”, explica a executiva.


Fonte: Valor Econômico



Notícias Relacionadas
 GLP investirá R$ 2,1 bilhões em novos galpões logísticos no Brasil

12/07/2024

GLP investirá R$ 2,1 bilhões em novos galpões logísticos no Brasil

A multinacional GLP, de Cingapura, investirá R$ 2,1 bilhões entre 2024 e 2026 no Brasil para a construção de novos galpões logísticos, um movimento que reforça a aposta da companhia na e (...)

Leia mais
 Antonio Wrobleski, presidente da BBM Logística, destaca a transformação digital que impulsiona o crescimento

12/07/2024

Antonio Wrobleski, presidente da BBM Logística, destaca a transformação digital que impulsiona o crescimento

Desde suas origens, há 27 anos, a BBM Logística percorreu um longo caminho, firmando-se como uma das cinco maiores operadoras logísticas do Brasil e do Mercosul. Com uma frota de 4,5 mil (...)

Leia mais
 Associações pedem votação do PL do Hidrogênio antes do recesso parlamentar

11/07/2024

Associações pedem votação do PL do Hidrogênio antes do recesso parlamentar

Associações setoriais pediram aos deputados federais celeridade na votação do projeto de lei 2.308/2023, aprovado no Senado, que estabelece o marco legal para o hidrogênio de baixo carbo (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.