24/04/2024

A corrida pelo hidrogênio verde

 A corrida pelo hidrogênio verde



O passo a passo da descarbonização energética está consolidado. As fontes fósseis são deixadas de lado para dar lugar à energia captada a partir do sol, do vento, da água e até por meio da produção de hidrogênio. As empresas de uma maneira geral estão em busca da sustentabilidade e algumas delas estão indo além.


Nas telecomunicações, por exemplo, energia é fundamental para sustentar todo o sistema. E conseguir manter toda a produção sem gerar carbono é um objetivo que algumas companhias já estão conseguindo alcançar.


“Fomos a primeira empresa do setor de telecomunicações a ter o seu consumo de energia 100% proveniente de fontes renováveis, desde novembro de 2018. Olhando para o nosso segmento como um todo, vemos que outros players também estão avançando nesse sentido”, afirma Renato Gasparetto, vice-presidente de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Vivo.


Para se manter no trilho do carbono zero, a empresa encerrou 2023 operando 67 usinas de geração distribuída de fontes solar, hídrica e de biogás em todo o Brasil. “É uma produção de 600 mil MW/ano, energia suficiente para abastecer 288 mil residências e que responde por 35% do consumo total da Vivo”, afirma Gasparetto.


O problema é quando as fontes fósseis, como o óleo diesel, o petróleo e até o carvão, estão na base do processo energético, como ocorre principalmente no hemisfério norte. Nesse cenário, emerge mais uma grande oportunidade de desenvolvimento energético sustentável para o Brasil. Uma vez que o País já usa fontes renováveis em grande escala, existe agora a possibilidade de dar um passo adiante e investir na produção do chamado hidrogênio verde.


“O Brasil possui um potencial gigantesco quando se trata de hidrogênio verde. O País pode vir a se tornar, inclusive, um dos maiores produtores de hidrogênio do mundo, atendendo os mercados interno e externo. Se falarmos de investimentos, por exemplo, o potencial brasileiro é de US$ 200 bilhões investidos nos próximos 20 anos, de acordo com projeção da consultoria McKinsey & Company”, afirma Sérgio Augusto Costa, fundador e presidente da Associação Brasileira de Hidrogênio e Combustíveis Sustentáveis (ABHIC).


O hidrogênio, voltando lá para as aulas de ciências, é uma das fórmulas químicas mais conhecidas do mundo. E é exatamente a quebra da molécula da água, por meio da eletrólise, que está por trás daquele que deve ser o mais importante combustível do futuro. A separação do H2 do O ocorre após a reação química ser estimulada por meio de uma corrente elétrica. Se essa energia for, por exemplo, fruto de hidrelétricas, fontes solares ou eólicas, e até nuclear, tem-se o chamado hidrogênio verde.


Alguns dos associados da ABHIC já desenvolvem projetos da ordem de gigawatts, que envolvem a produção de amônia verde (outra rota tecnológica possível em uma mesma planta), incluindo iniciativas de captura de carbono. “Mas como eles estão na fase de estudos de viabilidade, é preciso manter sigilo. Alguns desses projetos serão para exportação exclusiva, e outros para atender o mercado local e para exportação, tendo assim um mix. O horizonte de entrada em operação dos primeiros projetos é de 2028″, avisa Costa.


O potencial brasileiro apenas virará realidade, explica o executivo da ABHIC, se alguns pontos forem equacionados, como a criação de um marco regulatório para o setor e também a diminuição dos custos de produção. “Essa é uma questão relevante, não só no Brasil, mas no mundo todo. É importante reduzir o custo de produção do hidrogênio verde dos atuais US$ 5 a US$ 6 por kg para US$ 1,5 a US$ 2, que é o custo de produção do chamado hidrogênio cinza, extraído do gás natural, a partir do metano. Ou seja, ainda há muito a fazer para diminuir o custo de produção, bem como melhorar o desempenho dos eletrolisadores na produção de hidrogênio verde para cada dólar investido”, afirma Costa.


Os 10 principais projetos em curso no Brasil


1 - Unigel (Bahia)


Foco principal: produção de fertilizantes


Investimento: US$ 1,5 bilhão


Produção de hidrogênio: 100 mil toneladas/ano


Produção de amônia: 600 mil toneladas/ano


Capacidade de eletrólise (primeira fase do projeto): 60 MW


Início: 2023


Operação plena: 2027


2 - Qair (Pernambuco)


Foco principal: hidrogênio verde e azul (a partir de carbono estocado)


Investimento: US$ 3,9 milhões


Produção de hidrogênio verde: 488 mil toneladas/ano


Produção de hidrogênio azul: 198 mil toneladas/ano


Capacidade de eletrólise: 2,2 GW


Início previsto: 2025


Operação plena: 2032


3 - Qair (Ceará)


Foco principal: hidrogênio verde


Investimento: US$ 6,9 bilhões


Produção de hidrogênio verde: 488 mil toneladas/ano


Capacidade de eletrólise: 2,2 GW


Capacidade de energia eólica offshore: 1,2 GW


4 - Casa dos Ventos e Comerc (Ceará)


Foco principal: hidrogênio e amônia verdes


Investimento: US$ 4 bilhões


Produção de hidrogênio verde: 365 mil toneladas/ano


Produção de amônia verde: 2,2 milhões de toneladas/ano


Capacidade de eletrólise: 2,4 GW


Início previsto: 2026


Operação plena: 2030


5 - Fortescue (Ceará)


Foco principal: hidrogênio verde


Investimento: US$ 6 bilhões


Produção de hidrogênio verde: 15 milhões de toneladas/ano (meta global)


Início previsto: 2025


Operação plena: 2027


6 - AES (Ceará)


Foco principal: hidrogênio e amônia verde


Investimento: US$ 2 bilhões


Produção de amônia verde: 800 mil toneladas/ano


Capacidade de eletrólise: 2 GW


7 - White Martins (Pernambuco)


Foco principal: hidrogênio verde


Investimento: não divulgado


Produção de hidrogênio verde: 156 toneladas/ano


Em funcionamento desde 2022


8 - Eletrobras Furnas (Goiás/Minas Gerais)


Projeto-piloto de hidrogênio verde


Investimento: R$ 45 milhões


Produção de hidrogênio verde até agora: aproximadamente 1,5 tonelada


Capacidade de geração de energia: 1 MW


Em funcionamento desde 2021


9 - EDP (Ceará)


Projeto-piloto de hidrogênio verde


Investimento: R$ 42 milhões


Produção de hidrogênio verde: 250 Nm3/h


Capacidade de eletrólise: 3MW


Início da operação: 2022


Operação plena: 2024


10 - Shell/Raízen/Hytron/Toyota (São Paulo)


Projeto-piloto de hidrogênio verde a partir do etanol


Investimento: R$ 50 milhões


Produção de hidrogênio verde: 390 toneladas/ano


Em funcionamento desde 2023


Fonte: Estadão



Notícias Relacionadas
 Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

13/06/2024

Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

Indústrias no Rio Grande do Sul estão retornando paulatinamente a sua produção anterior às enchentes que assolaram o Estado no início de maio. Para uma retomada plena, no entanto, as emp (...)

Leia mais
 DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

11/06/2024

DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

A DHL Express está investindo R$ 23 milhões em um novo Gateway no Aeroporto de Viracopos em Campinas (SP). Este novo centro de processamento de cargas importadas será o maior da DHL Expr (...)

Leia mais
 Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

11/06/2024

Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

Pelo segundo ano consecutivo, a Tegma Gestão Logística elaborou e apresenta ao mercado seu Relatório Integrado, relacionando em detalhes as ações desenvolvidas pela companhia em sustenta (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.