06/05/2022

A lógica da logística



Por Guy Perelmuter, engenheiro da computação e mestre em Inteligência Artificial


O navio cargueiro Ever Given — com 400 metros de comprimento, quase do mesmo tamanho que o Empire State Building —  encalhou durante praticamente uma semana em março de 2021 no Canal de Suez, bloqueando o fluxo de uma das principais rotas náuticas do planeta. Este foi provavelmente o episódio mais filmado, fotografado e comentado nos mais de 150 anos de história dos 193 km que ligam o Mar Vermelho ao Mediterrâneo e formam a principal rota comercial entre a Ásia e a Europa.


Quando o canal foi liberado novamente, após uma complexa operação que envolveu uma frota de rebocadores, dragas e equipes de salvamento, cerca de 450 embarcações aguardavam passagem (sem considerar aquelas que foram desviadas e tiveram suas viagens aumentadas em cerca de 6,5 mil quilômetros). De acordo com a Lloyd’s List, uma das principais fontes de notícias e análises da indústria de navegação de carga, o volume de bens  impedidos de circular pelo canal era de aproximadamente US$ 10 bilhões por dia.


Em nossa última coluna, falamos sobre estruturas de governança — uma cadeia de pessoas e processos cujo bom funcionamento irá definir o sucesso ou fracasso de determinado negócio ou instituição. Agora, uma das cadeias mais complexas do planeta — a cadeia logística — está passando por uma série de desafios que vêm gerando questionamentos e a elaboração de potenciais novas estratégias com impactos relevantes tanto políticos quanto econômicos e tecnológicos.


É possível associar o início desta crise à pandemia da covid-19, que gerou um descompasso entre oferta e demanda. Muitas empresas acreditaram que a recessão causada pelo vírus iria gerar uma diminuição na demanda por produtos, mas o que acabou ocorrendo foi bem diferente: o nível de consumo, especialmente via comércio eletrônico, aumentou significativamente (possivelmente porque o dinheiro que as pessoas não estavam gastando em restaurantes, cinemas, hotéis, passagens aéreas e afins acabou sendo utilizado em outros produtos). O documentário Chain Reaction (em português, “Reação em Cadeia”), do Wall Street Journal, resume em seu subtítulo a dimensão do problema: why global supply chains may never be the same (algo como “porquê cadeias de suprimento globais podem nunca mais serem as mesmas”).


Antes de explorarmos os desdobramentos deste cenário é importante entender como chegamos até o modelo atual que rege a lógica da manufatura e do transporte de bens. Basicamente, a busca por regiões onde a mão de obra e a disponibilidade de matéria-prima são suficientemente baratas, aliada a formas eficientes para transportar os produtos fabricados até o consumidor final estabeleceram as regras para a estruturação das cadeias logísticas globais. E, por essa razão, um grande número de produtos precisa cruzar o planeta para chegar até você.


comércio eletrônico experimentou um forte crescimento durante a pandemia: de acordo com a International Trade Administration (“Administração de Comércio Internacional”, órgão do Departamento de Comércio do governo dos Estados Unidos), em 2018 o percentual das vendas globais de varejo realizadas online era de 12,2%. Em 2019, este número estava em 13,6%, e em 2020 saltou para 18%. As estimativas para o final de 2022 ultrapassam os 20%. Ainda de acordo com eles, os três países com o maior aumento no número de negócios passando a realizar vendas online como uma alternativa às compras presenciais foram o Brasil, a Espanha e o Japão.


A comodidade e praticidade à qual nos acostumamos — e da qual não abrimos mão — é mais uma abstração criada pelo desenvolvimento de interfaces entre sistemas artificiais e a sociedade. Por trás do botão de “comprar”, pressionado milhões de vezes ao redor do mundo em centenas de websites distintos, esconde-se uma infraestrutura extraordinariamente complexa e interdependente. Como o mundo inteiro está descobrindo, esta infraestrutura é extremamente sensível: pandemias, disputas geopolíticas, hackers, acidentes, atentados ou até mesmo erros de programação podem causar prejuízos a negócios de qualquer tipo em qualquer parte. Em nossa próxima coluna vamos falar da jornada de um produto desde a tela do seu dispositivo até a porta da sua casa. Até lá.


Fonte: Estadão



Notícias Relacionadas
 ABOL Day traz tendências do ecommerce na China

23/09/2022

ABOL Day traz tendências do ecommerce na China

O cenário do ecommerce na China foi apresentado, na tarde desta sexta-feira, durante mais um ABOL Day realizado exclusivamente para as empresas filiadas a Associação Brasileira dos Opera (...)

Leia mais
 Transportadoras não conseguem absorver alta de combustíveis e frete deve ficar mais caro

23/06/2022

Transportadoras não conseguem absorver alta de combustíveis e frete deve ficar mais caro

Em um país no qual todo tipo de mercadoria depende de transporte rodoviário para chegar ao consumidor, subir os preços dos combustíveis aumenta os riscos de uma inflação mais elevada e d (...)

Leia mais
 JSL lucra R$ 33 milhões

06/05/2022

JSL lucra R$ 33 milhões

A JSL, empresa de logística do grupo Simpar, divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2022, com lucro líquido de R$ 33 milhões, o representou margem de 2,5%, informou a companhia em c (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.