23/02/2021

Preços internacionais e câmbio impactam bunker vendido para cabotagem

 Preços internacionais e câmbio impactam bunker vendido para cabotagem


A Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem (Abac) avalia que, por ser baseado em cotação internacional, o preço do bunker utilizado pelas empresas brasileiras de navegação (EBNs) não deve sofrer impacto do recente aumento dos combustíveis anunciado no Brasil. No entanto, o aumento sentido a partir de 1º de janeiro deste ano, quando o preço da tonelada era de US$407 (R$2.114), é de aproximadamente 25%. Estes valores não consideram a variação cambial, que também impacta na formação do preço do bunker vendido para a cabotagem.

O diretor-executivo da Abac, Luis Fernando Resano, explicou que, por ser um preço cotado internacionalmente, os recentes aumentos de combustíveis anunciados no Brasil não mudam o cenário da cabotagem. A alta do preço do bunker no mercado internacional, porém, tem sido verificada desde novembro do ano passado.

Em Santos, a tonelada do combustível passou de US$325, no dia 3 de novembro (R$1.848, na cotação daquele dia), para US$510 na última quinta-feira (18), o equivalente a R$2.765 no câmbio do dia. “Sendo a venda do bunker convertida para reais, isto é o que a cabotagem vem sendo impactada de forma semelhante à navegação internacional”, apontou Resano.

A Abac defende que os benefícios anunciados para outros modais precisam considerar também o transporte marítimo, a fim de evitar o aumento da defasagem de políticas de preços dos combustíveis. “Sendo o combustível um dos maiores itens de custo do transporte marítimo, sempre fica a preocupação de como podemos absorver estas altas no mercado nacional, que é o atendido pela cabotagem”, analisou o diretor-executivo da associação.

As EBNs associadas à Abac pretendem intensificar o diálogo com governo e estados quanto à questão do ICMS, que compõe e eleva os custos operacionais dessas empresas. Resano disse que a Abac permanece atuante junto aos governos estaduais e ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) no sentido de tentar impedir a majoração do preço do bunker pela incidência do ICMS. O argumento é que a legislação setorial precisa ser cumprida, evitando que a taxação seja um efeito multiplicador do acréscimo que vem acontecendo na variação internacional.

O estado de Pernambuco fez, recentemente, uma redução da carga de ICMS. Os estudos da Abac indicam que tais reduções podem ser maiores, sem impactar a receita dos estados. O Espírito Santo, por sua vez, encaminhou um projeto de lei propondo uma redução inferior à adotada por Pernambuco. Esta proposta ainda precisa tramitar na assembleia legislativa e, posteriormente, receber sanção do governo estadual. “O assunto permanece na pauta do Confaz e esperamos que haja consenso dos estados nesta iniciativa”, afirmou Resano.

Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.