14/03/2024

Multilog vai investir R$ 500 milhões em novo porto seco em Foz do Iguaçu

 Multilog vai investir R$ 500 milhões em novo porto seco em Foz do Iguaçu



A operadora logística Multilog vai investir R$ 500 milhões na construção de um porto seco, em Foz do Iguaçu (PR), como aposta na força do agronegócio do Brasil e do Paraguai e contando com a retomada do crescimento econômico da Argentina. A previsão de início das obras é ainda no primeiro semestre de 2024.


A Multilog já opera um porto seco na mesma cidade, mas que está no limite de sua capacidade. Com a nova infraestrutura, a empresa vai dobrar as instalações para receber caminhões, abrindo frente para o setor agrícola do oeste do Paraná, forte produtor de grãos, além de carnes, entre outros produtos. A antiga área será devolvida para a União, quando o futuro porto for inaugurado.


O Paraguai compartilha a mesma vocação econômica, mas sua produção é escoada pelos portos brasileiros. Em relação à Argentina, o comércio exterior fortalece uma rota alternativa para Buenos Aires, via Foz do Iguaçu.


Ao Valor, o presidente da companhia, Djalma Vilela, lembra que a empresa venceu a licitação para a construção das novas instalações. A área adquirida para as obras, de 550 mil m2, também fica na região da tríplice fronteira.


“A atual área pertence à União. Esse novo porto fica em uma locação privada nossa. Ela está dimensionada para receber até 2 mil caminhões por dia em até 15 anos, uma vez que o setor logístico e a Receita Federal entendem que vai haver um incremento do comércio internacional na região”, diz. Os investimentos de R$ 500 milhões, segundo Vilela, serão divididos em duas fases. “Na fase inicial vamos aportar R$ 240 milhões.”


Cerca de 30% das obras serão custeadas com caixa da empresa e a diferença por meio de debêntures. A empresa é uma das grandes operadoras de recintos alfandegados de zona secundária (áreas destinadas a operar na movimentação, armazenagem e despacho aduaneiro) e administra 14 terminais dos 60 existentes no país.


Em relação à armazenagem, são 4,2 mil m2 de área coberta fechada, incluindo mais de 600 m2 de câmara fria, com três docas para o depósito de produtos que necessitam de temperaturas controladas. Pelo alto fluxo de pessoas e descaminho de cargas, o terminal terá 500 câmeras de monitoramento, além de scanners de controle.


A cidade vem recebendo aportes em infraestrutura, bancados principalmente pela usina de Itaipu via tarifa paga pelo consumidor. Entre as obras, destacam-se a construção da Ponte da Integração Brasil - Paraguai, a Perimetral Leste, a Estrada Boiadeira, a duplicação da Rodovia das Cataratas (BR-469), que beneficiam regionalmente a exportação e importação.


No caso da Ponte da Integração, a obra custou R$ 322 milhões e foi feita para desafogar o tráfego de veículos pesados na Ponte da Amizade, que também liga o Brasil ao Paraguai. Contudo, ela está pronta há mais de um ano, mas até hoje não foi liberada por falta de duanas e postos de fiscalização. A ponte deve ser liberada para uso em julho de 2025, que coincide com a entrada comercial do novo porto.


As autoridades locais comemoram a construção do empreendimento. O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu, Danilo Vendrúsculo, disse que com novo empreendimento, Foz se consolidará como o maior porto seco da América Latina.


No entanto, o pleito da região era para a existência de um porto seco multimodal, capaz de integrar o transporte rodoviário com outros modais. O governo do Paraná informou que trabalha no projeto da extensão do ramal da Ferroeste de Cascavel (PR) a Foz do Iguaçu (PR) e na concessão dos aeroportos. Após as obras de ampliação, o aeroporto de Foz passou a ter a segunda maior pista do Sul do país, mas a concessionária CCR precisa fazer a homologação da expansão.


Vilela disse que a empresa tem disposição de fazer investimentos futuros para que o empreendimento seja integrado com diversos modais, mas frisa que é preciso uma política de Estado para fomento e incentivo, além da redução da burocracia para operação multimodal. A concessão da Multilog pode ser estendida por até 35 anos, porém o empresário acredita que os contratos de concessão no Brasil poderiam ter 50 anos.


“Precisamos de contratos estáveis, segurança jurídica e licitações em que os empresários consigam fazer o ‘payback’ do investimento”, explica.


Ao Valor, o governador Ratinho Jr (PSD/PR) disse que o objetivo é transformar o Paraná na central logística da América do Sul. O Estado tem investido na duplicação de corredores viários e tirou do papel projetos estratégicos do Porto de Paranaguá, que bateu no ano passado recorde de exportação. “A chegada de mais esse investimento demonstra que o planejamento tem dado resultado. Não por acaso o Banco Central apontou que o Paraná foi o Estado que mais cresceu em 2023, atingindo 7,8%, índice superior à China e três vezes mais que o próprio Brasil.”


Valor Econômico



Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.