11/04/2024

Marcella Cunha, diretora executiva da ABOL: “Não há uma “bala de prata” para a descarbonização da frota de caminhões.

 Marcella Cunha, diretora executiva da ABOL: “Não há uma “bala de prata” para a descarbonização da frota de caminhões.



Atenta ao movimento e a necessidade de descarbonização da frota de caminhões no Brasil, a associação que representa os operadores logísticos no país orienta o setor a fazer uma avaliação criteriosa sobre as opções de combustíveis existentes no mercado. Em entrevista ao portal Transporte Moderno, a diretora da entidade diz que as empresas estão mais maduras para buscar soluções eficientes.


Aline Feltrin


Transporte Moderno – Qual é o real cenário dos operadores logísticos para descarbonizar? Quais seriam as principais dificuldades para escolher as alternativas existentes?


Marcella Cunha – O cenário atual demanda uma avaliação criteriosa das opções de combustível alternativo. Não há uma “bala de pratra”, ou seja, uma solução única, mas sim um exercício de mapeamento das fontes renováveis disponíveis, custos de aquisição, infraestrutura de abastecimento e demandas dos clientes.


Transporte Moderno – Então, a escolha mais acertada do combustível ideal varia de empresa para empresa?


Marcella Cunha – Exatamente. Não há uma fórmula universal. A estratégia mais eficaz é diversificar a matriz energética, investindo em várias opções e acompanhando a evolução do mercado e das políticas governamentais.


Transporte Moderno – Essa análise cuidadosa é comum entre os operadores logísticos?


Marcella Cunha – Observamos um aumento na maturidade das empresas nesse aspecto. Muitas já estão ativas na busca em diversificar sua matriz de combustível e na implementação de projetos de sustentabilidade.


Transporte Moderno – Como os operadores podem se guiar melhor nesse processo?


Marcella Cunha – É essencial que sejam proativos na busca por informações e que estejam abertos a aprender com experiências tanto nacionais quanto internacionais.


Transporte Moderno – Quais são os desafios específicos enfrentados com o biodiesel?


Marcella Cunha – Aumentar o uso de biodiesel é positivo, mas deve ser feito de forma responsável. Relatos de problemas como falhas no sistema de injeção e aumento no consumo de combustível destacam a importância de uma implementação cuidadosa e gradual.


Transporte Moderno – Como você avalia a necessidade de um aumento da mistura do biodiesel com base em estudos técnicos de viabilidade, e qual seria o percentual ideal para atender aos objetivos de descarbonização?


Marcella Cunha – O aumento do biodiesel deve ser embasado em estudos técnicos sólidos, garantindo sua viabilidade e um percentual adequado para atingir os objetivos de descarbonização. No entanto, é importante ressaltar que não há estudos que respaldem um aumento para 20%. Além disso, é crucial considerar que os níveis internacionais estão atualmente abaixo de 14%, o que nos indica um ponto de referência importante a ser considerado.


Transporte Moderno – Como as políticas públicas podem influenciar as escolhas dos operadores logísticos?


Marcella Cunha– As políticas públicas desempenham um papel crucial. Operadores devem estar atentos e engajados nas discussões políticas, pois podem moldar o ambiente regulatório e afetar a viabilidade de diferentes opções de combustível..


Transporte Moderno – Como os operadores logísticos podem ser mais ativos na escolha do combustível ideal?


Marcella Cunha – A colaboração próxima com fornecedores é essencial. Isso pode incluir o compartilhamento de dados operacionais para melhorar a oferta de combustíveis, participação ativa em desenvolvimentos tecnológicos e o estabelecimento de parcerias estratégicas para promover inovações sustentáveis.


Fonte: Transporte Moderno



Notícias Relacionadas
 Solistica investe R$ 18 milhões em nova frota de caminhões e na capacidade de distribuição

17/05/2024

Solistica investe R$ 18 milhões em nova frota de caminhões e na capacidade de distribuição

A Solistica anunciou o investimento de R$ 18 milhões na ampliação de frota de caminhões, expansão da capacidade de distribuição da empresa e em novas tecnologias. Segundo a companhia, a (...)

Leia mais
 O hidrogênio verde como ponto de partida

17/05/2024

O hidrogênio verde como ponto de partida

Por Jorge Arbache é vice-presidente de setor privado do Banco de Desenvolvimento da América Latina e Caribe As enormes projeções de consumo de hidrogênio verde ( (...)

Leia mais
 ABOL traz importância das certificações durante a jornada ESG

17/05/2024

ABOL traz importância das certificações durante a jornada ESG

Um novo encontro, realizado na tarde desta quinta-feira, deu andamento à agenda de trabalhos do Grupo ESG da ABOL. Dessa vez, as discussões giraram em torno de certificações, tanto para (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.