01/03/2021

Loggi recebe aporte de R$ 1,15 bilhão para acelerar expansão nacional

 Loggi recebe aporte de R$ 1,15 bilhão para acelerar expansão nacional


Depois de um ano de 390% de crescimento nos negócios, a empresa de logística Loggi anuncia neste domingo, 28, ter recebido um aporte de 1,15 bilhão de reais (212 milhões de dólares) em sua rodada de captação série F. O investimento foi liderado pela CapSur Capital e teve a participação do Fundo Verde e de vários investidores anteriores da empresa, como Monashees, Softbank, GGV, Microsoft e Sunley House.

Fundada em 2013 pelo francês Fabien Mendez e pelo brasileiro Arthur Debert, a Loggi se tornou uma startup unicórnio construindo uma malha logística que vai desde pequenas entregas locais até envios de pacotes por todo o país. "A Loggi tem um dos melhores times de tecnologia do Brasil, o que leva a uma redução constante no tempo de entrega e melhoria na qualidade percebida pelo consumidor. A tecnologia permite ainda que o crescimento da empresa seja superior ao do e-commerce, democratizando o acesso à logística”, diz Marcel Arins, sócio da CapSur Capital.

Para a Loggi, o novo investimento é uma forma de acelerar o crescimento em um momento muito promissor para o negócio. Desde março do ano passado, quando a pandemia provocou um boom no e-commerce brasileiro, o volume de pedidos processados pela companhia deu um salto sem precedentes, forçando a empresa a pausar sua expansão geográfica para poder dar conta de atender à demanda. Só em 2020, 150 milhões de reais foram investidos na abertura de seis novos centros de distribuição.

Investimento em infraestrutura

Segundo o diretor financeiro Thibaud Lecuyer, a estratégia para a rodada foi inspirada na experiência das grandes empresas de logística da Ásia durante a epidemia de Sars no começo dos anos 2000, que também favoreceu o e-commerce. “As companhias de entregas que investiram em tecnologia e automação tiveram, no longo prazo, desempenho superior ao das concorrentes e entraram em um círculo virtuoso”, diz Lecuyer.

Por isso, pelo menos um quarto do capital da série F será investido na contratação de profissionais experientes que ajudem a companhia a desenvolver e aprimorar seus produtos digitais. “Com a nossa tecnologia, qualquer pessoa ou empresa vai poder mandar seus pacotes para todo o Brasil com baixo custo”, diz Fabien Mendez, cofundador e presidente da Loggi.

Outros 50% do aporte serão aplicados na infraestrutura de logística. De acordo com Lecuyer, não adianta investir em capilaridade pelo país sem garantir um bom funcionamento do coração do negócio — os centros de distribuição. Ao longo do ano, a meta é abrir pelo menos mais sete novos cross-dockings, onde as encomendas recebidas dos remetentes são colocadas no caminho dos destinatários.

O capital permitirá também que a empresa, enquanto reforça sua estrutura, retome o sonho de chegar aos quatro cantos do país, atendendo a quase todos os brasileiros. “Começamos 2020 com 43% da população coberta e terminamos o ano com 54%. Este ano, queremos chegar perto dos 100%. Só nos dois primeiros meses, já adicionamos 5%, a máquina está a todo vapor”, diz o diretor financeiro.

Além das agências próprias, a Loggi desenvolve desde 2019 parcerias com pequenas empresas para chegar a novas cidades. Esses parceiros, chamados de Leves, conhecem bem a região em que atuam e conseguem fazer os pedidos chegarem mais rapidamente até seu destinatário final. É nessa estrutura mista, de agências e Leves, em que a companhia aposta para terminar o ano atuando em mais de 3.000 cidades — o triplo do que tem hoje.

Se a Loggi conseguir chegar a 100% dos brasileiros até dezembro, o ano de 2022 será reservado para a empresa aprofundar sua penetração no mercado. "Vamos investir em automação para reduzir os custos e o tempo de entrega. Com isso poderemos atender melhor os pequenos e médios lojistas do país", afirma Lecuyer.

Diante das projeções positivas de crescimento do e-commerce para os próximos anos, o principal ponto de atenção da companhia hoje é com os 2.000 funcionários e 50.000 parceiros. “Nosso futuro depende da capacidade de execução do nosso time”, diz o diretor financeiro. Capital, por enquanto, não é uma preocupação.

Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.