09/03/2021

Fortalecer e materializar troca de dados, benchmarking e segurança para Fortalecer e materializar troca de dados, benchmarking e segurança para

 Fortalecer e materializar troca de dados, benchmarking e segurança para Fortalecer e materializar troca de dados, benchmarking e segurança para


A Semana da Mulher promovida pelo Conselho Feminino do Brasil Export realizou nesta segunda-feira, 8 de março, webinário com o tema “Relações institucionais entre órgãos de governo, entidades representativas e sociedade civil no setor de logística e de infraestrutura“. Na ocasião, quatro profissionais de reconhecida competência profissional falaram sobre suas respectivas atividades e concordaram que a promoção do diálogo e a relação interinstitucional são fundamentais para fortalecer e materializar a troca de dados e de experiências, benchmarking e segurança jurídica para potenciais investidores no País.

Em pouco mais de dez minutos, a vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seccional de Pernambuco, Ingrid Zanella, listou uma série de temas com os quais os profissionais da advocacia especializados no setor portuário e marítimo podem contribuir para o fortalecimento da segurança jurídica, para a redução de custos das operações logísticas e para o aperfeiçoamento de procedimentos de compliance e das relações com órgãos públicos.

Ela lembrou que a minirreforma portuária sancionada em 2020 viabiliza instrumentos como a dispensa de licitação quando somente existir um interessado no arrendamento e, caso bem aplicados, podem desburocratizar e aumentar o fluxo orçamentário em portos e terminais. A advocacia, segundo Ingrid, está se modernizando e precisa contribuir como atividade voltada para a solução de problemas e de entraves.

A vice-presidente da OAB-PE também citou a necessidade de ampliar o diálogo institucional em relação a assuntos como segurança cibernética, proteção de dados, cumprimento de normas da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) e responsabilidades em acidentes marítimos. Ingrid recordou que ainda não foram apuradas as causas e responsabilidades do aparecimento de grandes manchas de óleo no litoral brasileiro durante o ano de 2019, enfatizou a importância de identificar motivos para o acidente e lembrou que o País é signatário da Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, de 1990, ratificada pelo Decreto no 2.870/1998. “Este evento foi de grande aprendizado. Estou satisfeita em ter aprendido tanto com as manifestações de hoje”.

A importância da promoção de conexões institucionais baseadas em transparência e diálogo foi destacada pela Diretora de Programa da Secretaria de Parcerias em Transportes do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Ana Luiza Becker Salles. Estreitar relacionamentos e alimentar a iniciativa privada com informações relevantes é, segundo ela, um dos principais objetivos do trabalho exercido no órgão. “O PPI é um balcão de informações. Quando um investidor está interessado \[no Brasil] ele pode procurar o Programa para ver os projetos previstos, as perspectivas, tamanho e características de cada um. Hoje temos na carteira pouco mais de 200 projetos qualificados e mais de 100 para serem realizados ainda neste ano. É uma carteira bem desafiadora”.

O PPI, explicou Ana Salles, vem intensificando conexões internacionais por meio de ações promovidas por Embaixadas e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), incluindo road shows que possibilitam interações com organismos multilaterais. Além de servir como um hub governamental que articula com os três poderes e com agências reguladoras, o PPI também administra os projetos considerados prioritários pelo Conselho formado por ministros de Estado. A Diretora de Programa lembrou das dezenas de leilões de ativos de infraestrutura previstos para este ano e que a B3 receberá a “Semana da Infraestrutura” de 7 a 9 de abril, com a disputa pelos arrendamentos de terminais portuários, aeroportos e trechos de transporte terrestre.

Representante da American Association of Port Authorities (AAPA) no Brasil, Raquel Kibrit observou que o profissional responsável por relações institucionais muitas vezes é o agente catalisador para a geração de oportunidades de negócios e a fonte de informações sobre tendências internacionais que ainda não chegaram ao Brasil. “Fazer parte dessas organizações é monitorar o que está acontecendo em relação à vanguarda do setor”. Ela foi enfática ao dizer que o Brasil deveria exercer uma liderança mais ativa na na América Latina e que o mundo pouco sabe o que acontece em nosso território.

Raquel recordou o seu trabalho como assessora para Assuntos Internacionais no Porto de Santos e mais uma vez salientou que as informações relativas ao sistema portuário brasileiro são praticamente desconhecidas no mercado externo. Ela apontou que há pouca disponibilidade de dados sobre o porto santista em outros idiomas e que há muito interesse de investidores nos projetos de infraestrutura disponíveis no Brasil. “Ninguém tem dúvida que este é um país para prosperar e para crescer no setor portuário, mas o componente das regras do jogo dificulta. O Estado tem que ter muito claro quais serão as regras do jogo e deixar o investidor internacional jogar”.

A Subsecretária de Sustentabilidade do Ministério da Infraestrutura, Larissa Amorim, explicou que o fortalecimento das relações institucionais é um dos principais objetivos da gestão da pasta e destacou o acordo de cooperação técnica mantido com a Antaq e com a agência alemã GIZ para a produção de estudos sobre a mudança do clima nos portos brasileiros. Ela informou que o levantamento está detalhando o impacto das mudanças climáticas em 30 portos e que, ao final do diagnóstico, será selecionada uma quantidade menor de portos para implantação de iniciativas que mitiguem as consequências consideradas mais críticas.

Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.