10/03/2021

Cosan conclui reestruturação societária

 Cosan conclui reestruturação societária


O grupo Cosan, do empresário Rubens Ometto Silveira Mello, dá início hoje a um novo ciclo, com a tão esperada simplificação da estrutura societária de seus negócios no mercado de capitais. O conglomerado - dono de usinas de açúcar e álcool, ferrovias e distribuidora de gás e combustíveis - unificou suas três holdings na empresa Cosan SA e se prepara para abrir o capital de suas principais divisões de negócios.

“Sempre acreditei mais em empresa de dono do que nas grandes ‘corporations’ (companhias de capital pulverizado) ”, disse o empresário, que foi fortemente criticado pelo mercado ao criar, em 2007, a holding Cosan Limited (CZZ), que conferia a ele superpoderes como acionista. Ometto temia ser alvo de uma oferta hostil e ter de abrir mão do controle de sua empresa, fundada originalmente como produtora de açúcar e álcool.

Conhecido como um dos maiores usineiros do país, Ometto diversificou os seus negócios ao comprar a Esso e depois fazer uma joint venture com a Shell, para constituir a Raízen. O empresário apostou na expansão na área de infraestrutura ao adquirir a América Latina Logística (ex-ALL), empresa de ferrovias que pertencia ao trio fundadores da AmBev (Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles). O grupo é um dos maiores do país, com faturamento de R$ 68,6 bilhões no ano passado.

Ao longo de sua trajetória como empresário, travou uma longa disputa litigiosa com sua família e bateu de frente com o mercado financeiro ao criar uma complexa estrutura societária para se manter à frente dos seus negócios. “Eu tinha prometido ao mercado que iria fazer a simplificação societária e estou cumprindo. Foi no tempo que tinha de ser”, disse.

Com a reestruturação, as holdings Cosan Limited e Cosan Logística (dona da Rumo) se fundem em uma única empresa listada na B3, a Cosan SA, que também lançará novas ADS (American Depositary Shares) amanhã em Nova York. Abaixo da Cosan SA estão as companhias Raízen, Compass, Rumo e Moove. “São quatro empresas que ficam abaixo da holding gestores independentes, com o DNA empreendedor”, afirmou o empresário.

Para analistas de mercado ouvidos pelo Valor, a empresa se torna mais fácil de ser entendida pelos investidores e deverá gerar maior liquidez. Relatório do Bank of America (Bofa) diz que as ações da Cosan passarão a refletir a nova estrutura da companhia, que deverá crescer este ano estimulada pelos melhores preços das commodities e agronegócio.

Com a unificação das holdings, a nova Cosan “nasce” com um valor de mercado estimado em R$ 43 bilhões e um Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) sob gestão de R$ 13 bilhões. O empresário, que detém cerca de 42% da companhia, disse que garantirá plenos poderes ao grupo por meio de acordo de acionistas firmados com seus sócios de longa data, entre eles a família Rezende Barbosa. E reforça as apostas em sua própria companhia. Nos últimos anos, a Cosan desembolsou R$ 8 bilhões em recompra de ações da empresa.

Com planos de abrir o capital da Raízen, Compass (que reúne os negócios de distribuição de gás, como a Comgás) e a Moove, negócio de lubrificantes, a Cosan também está buscando a verticalização do grupo, com a compra da refinaria da Petrobras no Paraná, a Repar. A empresa negocia, ainda, a aquisição da Gaspetro, para crescer em distribuição de gás, que também pertence à petroleira brasileira.

As negociações, contudo, seguem em compasso de espera. Em meio à troca de comando da Petrobras - o presidente Jair Bolsonaro anunciou a troca de Roberto Castello Branco há três semanas -, o grupo aguarda o posicionamento mais claro do novo gestor da companhia indicado pela União, o general Joaquim Silva e Luna, para dar prosseguimento às conversas.

Com bom trânsito em Brasília, Ometto evita fazer críticas ao governo, mas disse que ficou assustado “assim como todo o mercado” com a saída de Castello Branco. A leitura do mercado financeiro e de empresários era de uma possível interferência na política de preços dos combustíveis. Agora, acompanha de perto os desdobramentos com a indicação dos novos conselheiros para a petroleira e defende o movimento de privatização de ativos da estatal intensificado na gestão de Castello Branco.

Para este ano, os investimentos em expansão da Cosan, sem considerar aquisições, estão previstos em cerca de R$ 10 bilhões. Com crescimento marcado por grandes aquisições, a Cosan não deverá mudar sua estratégia de expansão. Em janeiro, o grupo anunciou a compra da Biosev, segunda maior empresa de açúcar e etanol do Brasil, se isolando na liderança do setor sucroalcooleiro. “Continuamos avaliando negócios em todos os setores”, disse o empresário.

Presidente do conselho de administração do conglomerado, Ometto está longe de decretar sua aposentadoria. Com duas filhas e cinco netos, o empresário disse que tem preparado, nos últimos anos, executivos da companhia que hoje fazem parte na “partnership” para assessorar seus herdeiros no futuro. Mas, num futuro bem distante. “Eu sou o velhinho que fica cutucando a molecada", brinca.

Engenheiro formado pela Poli, o empresário sabe exatamente a importância do seu legado e quer deixar sua marca para a história. Na semana que vem, lançará sua biografia narrada pelo novelista Aguinaldo Silva. O livro “O Inconformista - A trajetória e as reflexões do empresário que fez da Cosan um dos maiores sucessos corporativos do Brasil”, lançado pela Penguin Portfólio, não se trata de uma autopromoção, segundo Ometto. “Mas é uma forma de contar a trajetória da minha família e do grupo. Comprei uma fazenda na região de Araras de 1839, que pertencia à família Silva Prado. Todo mundo sabe que sou noveleiro. Convidei o Aguinaldo Silva para me ajudar a resgatar essa trajetória.”

Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.