24/08/2020

Carga ilegal de 70 mil toneladas de manganês é apreendida em porto no Pará

 Carga ilegal de 70 mil toneladas de manganês é apreendida em porto no Pará



_Material foi interceptado no Porto de Vila do Conde, o mais importante do Estado, e tinha como destino a China_

Com destino à China, uma carga ilegal de 70 mil toneladas de minério de manganês foi apreendida pela Agência Nacional de Mineração (ANM). O material foi interceptado ontem no Porto de Vila do Conde, principal porto de exportação paraense, no município de Barcarena (PA), cerca de 40 km ao sul de Belém.

Segundo informou a ANM, em nota, a carga de minério é avaliada em R\$ 60 milhões. O minério foi extraído no sul do Pará de forma ilegal.

Ao todo, foram aplicados quatro autos de apreensão contra as empresas Sigma Extração de Metais (37 mil toneladas), Timbro Comércio Exterior (18 mil), RMB Manganês (3 mil) e Chin Vest Comércio Importação e Exportação (12 mil toneladas).

Conforme a ANM, nenhuma delas possui autorização de extração para manganês. A Timbro tinha autorização para garimpo — mas manganês não pode ser lavrado por garimpo. A RMB chegou a pedir renovação de título minerário, que ainda não foi concedido pela ANM.

A Sigma e a Chin Vest expediram nota fiscal do Estado de Goiás, mas não há registros de entrada do material no Pará, o que caracteriza que a lavra estava sendo feita no estado paraense, informa a agência.

Os fiscais recolheram amostras para analisar o material. As empresas vão ser processadas e o material será disponibilizado em leilão.

O minério de manganês é considerado material essencial na fabricação de ligas metálicas, como ferro-manganês, usadas na produção de aço. Pode ser utilizado ainda em ligas de cobre, zinco, alumínio, estanho e chumbo. De acordo com dados da ANM, a grande maioria da exportação deste tipo de minério vai para o mercado chinês.

A agência informa que foi uma ação em uma operação contra o manganês ilegal dentro das faixas de servidão da linha de transmissão da usina hidrelétrica de Belo Monte. “Essa atividade ilegal coloca em risco as torres da usina e estamos com operações de inteligência junto com a Polícia Federal para combatê-la”, afirmou, na nota, o diretor da ANM, Eduardo Leão.

Fonte: Valor Econômico

Notícias Relacionadas
 ABOL participa de Congresso sobre o mercado de carbono

20/05/2022

ABOL participa de Congresso sobre o mercado de carbono

A ABOL marcou presença no Congresso Mercado Global de Carbono, que teve início na última quarta-feira (18), no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. A Associação foi representada pela dire (...)

Leia mais
 Pesquisa sobre Mulheres na indústria marítima mostra desigualdade entre gêneros

20/05/2022

Pesquisa sobre Mulheres na indústria marítima mostra desigualdade entre gêneros

O emprego feminino continua baixo em funções marítimas, de acordo com dados da IMO e da primeira pesquisa de mulheres no mar da WISTA. Mas a representação feminina é forte em alguns seto (...)

Leia mais
 BBM Logística segue em forte ritmo de expansão e atinge novo recorde de faturamento

20/05/2022

BBM Logística segue em forte ritmo de expansão e atinge novo recorde de faturamento

A BBM Logística, um dos maiores operadores logísticos do modal rodoviário do Mercosul, anunciou recentemente os resultados do 1º Trimestre do ano de 2022, que foi marcado pelo faturament (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.