09/01/2024

Após pandemia, indústria planeja diversificar e regionalizar cadeia logística

 Após pandemia, indústria planeja diversificar e regionalizar cadeia logística



O caos logístico provocado pela pandemia passou, mas deixou marcas no planejamento das indústrias globais. Nos próximos três anos, as empresas ainda planejam tomar medidas de proteção: as principais delas são a adoção de duas fontes de matérias-primas e a regionalização da cadeia de suprimentos, segundo um levantamento da McKinsey, realizado em 2023, que ouviu 101 líderes da área de logística em indústrias com atuação global, em diferentes segmentos.


“Para a cadeia de suprimentos global, há um antes e um depois da pandemia. Há cinco, dez anos, o ‘supply chain’ seria o 15º tópico da cabeça de um presidente global da indústria. Hoje passou a ser um dos cinco temas mais relevantes. As disrupções sofridas foram muito marcantes”, afirma Edson Guimarães, sócio associado da consultoria.


Um dos principais aprendizados para as empresas foi a importância de ter mais visibilidade da cadeia, não apenas dos fornecedores diretos, diz ele. “Às vezes a companhia tinha dois fornecedores, mas na pandemia descobriu que o fornecimento deles era o mesmo. A tendência hoje é adotar uma estratégia de, de fato, buscar ao menos duas fontes de fornecimento.”


A pesquisa também indica que uma das ações emergenciais mais implementadas no auge da crise perdeu força no planejamento das companhias: o aumento dos estoques.


“Na pandemia, as empresas montaram estoques bastante elevados, mas agora se questionam se mantêm essa estratégia. Neste ano, algumas companhias estão tentando manter a resiliência, mas reduzir seus custos”, afirma Marcelo Steffen, também sócio associado da McKinsey.


Como qualquer mudança na cadeia de suprimentos de uma indústria é um processo complexo e lento, tratam-se de medidas que ainda estão em análise ou implementação, diz ele. Ao mesmo tempo, a pesquisa indica que o tema está no centro das preocupações dos executivos: 53% dos entrevistados afirmaram que são dependentes de uma região para fornecimento e 89% disseram que pretendem reduzir a dependência nos próximos três anos.


No caso das indústrias no Brasil, porém, o desafio de regionalizar a cadeia de suprimentos tem uma complexidade adicional, destacam os sócios. “Para a nossa região, alguns componentes acabam sendo mais problemáticos. Por exemplo, o abastecimento de placas elétricas depende muito da China, do Sudeste Asiático, não vamos ter do dia para a noite um fornecedor na América Latina. Então é preciso buscar outras medidas, como estoques mais bem posicionados ou ter um acompanhamento mais próximo dos fornecedores”, afirma Guimarães.


Porém, a tendência da regionalização abre uma oportunidade para empresas locais se tornarem um segundo fornecedor de indústrias globais, diz Steffen. “Se houver um item similar, o grupo poderá buscar uma parcela local do fornecimento.”


Fonte: Valor Econômico



Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.