25/02/2021

"Santos Brasil (STBP3): Diretor comenta futuro da empresa após crise do "Santos Brasil (STBP3): Diretor comenta futuro da empresa após crise do

 "Santos Brasil (STBP3): Diretor comenta futuro da empresa após crise do "Santos Brasil (STBP3): Diretor comenta futuro da empresa após crise do


Criada em 1997, a Santos Brasil (STBP3) se tornou uma das maiores empresas de logística portuária do Brasil. Dona de uma malha de terminais de contêineres, cargas gerais e veículos, a empresa se guia pela lógica do “Porto a Porta”. Após vencer uma concessão para explorar temporariamente o cais do Saboó, em Santos, a empresa entrou no radar do mercado, que passou a recomendar a compra das ações da Santos Brasil.

Ainda durante a pandemia do novo coronavírus, a companhia realizou follow-on, momento em que empresas já listadas na B3 (B3SA3) fazem um novo processo de emissão de ações. No total, R$ 790 milhões foram angariados ao caixa da empresa. Para se ter uma noção do marketshare da Santos Brasil, só em 2019, foram movimentados mais de 1,87 milhão de TEU, tornando-se a responsável por 18% da movimentação de contêineres no Brasil.

Com o intuito de compreender os rumos tomados pela empresa durante a pandemia, conversei com o CFO da Santos Brasil, Daniel Pedreira Dorea.

O que a Santos Brasil faz?

A Santos Brasil é muito associada à operação de contêiner, sobretudo ao terminal de Santos, que é o maior terminal de contêineres da América do Sul. No entanto, a Santos Brasil vai além dessas duas vinculações. Hoje, temos cinco arrendamentos de terminais no Brasil, entre eles, três são terminais de contêineres – um está localizado no porto de Vila de Conde, no Pará; o outro está no Porto de Imbituba, em Santa Catarina; o terceiro é o mais conhecido, localizado no Porto de Santos, em São Paulo, um ativo estratégico belíssimo.

Também possuímos o maior terminal de veículos do Brasil, que operamos em uma área vizinha ao Tecon Santos. Além disso, temos um terminal de carga geral em Imbituba, onde operamos celulose e aço. Agora, também estamos operando dois terminais temporários na região do Saboó. As cargas que manejamos lá também não são conteinerizadas.

Juntando todos esses fatores, temos uma empresa de logística. Portanto, prestamos a solução completa, que gostamos de chamar de “do porto à porta”. Armazenamos contêineres depois do desembaraço, temos uma frota de transporte rodoviário, e dois centros de distribuição em SP. Desse modo, estamos movimentando cargas e contêineres pelo Brasil inteiro, não apenas em Santos. Pelos nossos terminais, 18% da movimentação de contêineres no Brasil é processada. Isso é a Santos Brasil, somos líderes, e mais do que líderes, gostamos de pensar que somos os mais eficientes.

Há décadas escuto sobre uma possível privatização do Porto de Santos, porém o processo nunca sai do papel. Vocês estão confiantes sobre a entrega da privatização? E como isso afetaria a Santos Brasil?

Acredito que a privatização é um caminho que está tomado, então irá acontecer. O Ministério de Infraestrutura é o grande patrono desta iniciativa, e tem dado provas de que é bom de execução. O ministro Tarcísio Gomes de Freitas é bom em executar projetos, além de possuir um time fantástico de técnicos. Então, eu acredito que a privatização da autoridade portuária de Santos vai acontecer. O primeiro ensaio é a Companhia Docas do Espírito Santo, depois virá a concepção efetiva de Santos.

A Santos Brasil vê isso com bons olhos. Eu acredito que esta é uma notícia positiva, principalmente pela tendência de maior eficiência do agente privado na gestão de ativos. O alinhamento de interesses é maior na prestação de um bom serviço, evidentemente advindo da remuneração que ele persegue do capital que está sendo alocado. Portanto, acredito que a Santos Brasil será positivamente afetada.

O modelo de concessão ainda está sendo estudado. Há uma coordenação sendo tocada pelo BNDES, que também possui um bom time. À medida que o privado passe a gerir o porto, ele tende a ficar mais competitivo, uma vez que o porto presta serviços especiais aos terminais, como, por exemplo, a dragagem. Com essa tendência, os usuários do Porto de Santos também ficarão mais competitivos.

O que precisamos ficar atentos enquanto arrendatários do porto é a impossibilidade de criação de inseguranças jurídicas dos contratos já firmados. Só desejamos que os contratos sejam mantidos no equilíbrio estabelecido. E se for assim, será ótimo, que venha o privado para gerir e incentivar.

O coronavírus foi um cenário de caos para todas as empresas. O setor aéreo foi um dos mais afetados, logicamente, mas acredito que vocês também foram impactados. Como foi o período pandêmico para a empresa?

Houve uma vasta incerteza do momento, ninguém sabia o que iria acontecer, então foi um desespero geral. Quando isso acontece, nosso primeiro cuidado é preservar a liquidez e o caixa. Porém, também há necessidade de continuar gerando caixa e seguir com as operações. Portanto, implantamos um plano de continuidade do negócio rapidamente, para garantir a plena operação dos nossos terminais – com toda integridade e segurança aos nossos funcionários, é claro. Este plano foi bem-sucedido.

Nós nunca tivemos as nossas operações interrompidas, paralisadas ou suspensas. A companhia tinha um nível de endividamento super baixo, então isso não foi uma grande preocupação. Ao mesmo tempo que ela conseguia manter a operação funcionando, portanto, gerando algum caixa. A gente se comprometeu a atravessar a tormenta e esperou sair bem.

Como a companhia é líder, há o questionamento advindo da crise: quem é melhor posicionado? Quem está com o balanço mais sólido pode sair mais forte, já quem está mais desorganizado fica pelo caminho. Assim, acredito que saímos fortalecidos como empresa. No meio deste caos tivemos um follow-on, portanto o mercado olhou positivamente para a Santos Brasil e desejou gerar capital para o crescimento da empresa.

Notícias Relacionadas
 Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

13/06/2024

Estradas bloqueadas ainda retardam a retomada da indústria em RS

Indústrias no Rio Grande do Sul estão retornando paulatinamente a sua produção anterior às enchentes que assolaram o Estado no início de maio. Para uma retomada plena, no entanto, as emp (...)

Leia mais
 DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

11/06/2024

DHL Express anuncia investimento de R$ 23 milhões em novo Gateway no Aeroporto de Viracopos

A DHL Express está investindo R$ 23 milhões em um novo Gateway no Aeroporto de Viracopos em Campinas (SP). Este novo centro de processamento de cargas importadas será o maior da DHL Expr (...)

Leia mais
 Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

11/06/2024

Tegma divulga Relatório Integrado sobre suas práticas ASG

Pelo segundo ano consecutivo, a Tegma Gestão Logística elaborou e apresenta ao mercado seu Relatório Integrado, relacionando em detalhes as ações desenvolvidas pela companhia em sustenta (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.