26/03/2024

Roubo de carga eleva custo logístico e afeta preço final dos produtos

 Roubo de carga eleva custo logístico e afeta preço final dos produtos



O aumento do roubo de carga tem impacto direto nos custos logísticos e nos preços ao consumidor. Em 2022, segundo o último dado disponível, o prejuízo com roubo de carga no Brasil atingiu R$ 1,2 bilhão, segundo o Fórum dos Gerenciadores de Risco, aponta o diretor de Negócios a ICTS Security, Saulo Chaves.


Estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) mostra que o Produto Interno Bruto (PIB) do País poderia crescer 0,6 ponto porcentual a mais se o nível de criminalidade recuasse para o da média mundial, conforme mostrou reportagem do Estadão.


Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelam que as companhias do País gastam, por ano, cerca de R$ 171 bilhões com segurança, o equivalente a 1,7% do PIB de 2022.


Para as empresas, o aumento da criminalidade se traduz em maior custo de produção e maiores gastos com seguros de fretes.


“Toda vez que há roubo de carga, o custo logístico aumenta por causa do seguro e isso repercute no preço final do produto, seja na exportação, seja na importação, e impacta o Custo Brasil”, diz Casemiro Tércio Carvalho, ex-presidente da Autoridade Portuária e sócio da consultoria 4Infra, especializada no setor portuário.


Em relação à demanda por seguro de transporte rodoviário, que poderia ser um termômetro, por exemplo, do aumento do roubo de carga na Baixada Santista, Marcos Siqueira, vice-presidente da Comissão de Seguro de Transporte da Federação Nacional de Seguros Gerais, ressalta que não se trata de um bom indicador no momento.


Entre as razões, ele aponta que, no último ano, houve redução do volume de cargas transportadas e queda no preço do seguro devido à maior concorrência entre as seguradoras.


Andre Neiva, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Comercial de Carga do Litoral Paulista (Sindisan), observa que faz parte da rotina das seguradoras exigir rastreamento por satélite e escolta armada para certos tipos de cargas, especialmente fertilizantes, cigarros e pneus, por exemplo.


Nos últimos tempos, ele diz que não houve reforço neste sentido. “Determinadas mercadorias você não carrega se não seguir o plano de gerenciamento de risco.”


No entanto, Neiva frisa que, entre as 142 empresas associadas, não chegaram ao sindicato relatos de roubos de carga no ano passado. A grande maioria das empresas associadas ao sindicato é ligada à exportação e importação, não faz transporte de carga fracionada ou para o comércio online.


O presidente do Sindisan se diz surpreso com os dados oficiais da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), que apontam 602 registros de roubo de carga na Baixada Santista entre janeiro e dezembro de 2023. É um volume 156% maior comparado ao ano anterior. Também é a maior marca de ocorrências em mais de 20 anos, desde o início da série histórica, em 2001.


Uma hipótese aventada por ele para explicar esse desencontro de informações seria que esses roubos ocorreram com transportadoras de fora da Baixada Santista e, portanto, as ocorrências são informadas aos sindicatos de transportadoras de outras regiões.


Transporte ferroviário


Outro foco de roubo da carga na Baixada ocorre em trens que fazem o transporte de produtos, geralmente commodities, como açúcar, soja, entre o planalto e a região.


A Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), diz que “desde a sua criação, em 1996, registrou apenas casos pontuais e intermitentes de roubo de cargas, diferente das recentes ocorrências na Baixada Santista”.


Por meio de nota, a entidade acrescenta que “as ações dos criminosos prejudicam as empresas, o fluxo de escoamento de todo tipo de carga pela ferrovia e a economia do País, e confia que as autoridades responsáveis pela segurança pública continuarão tomando as medidas necessárias para manter a integridade das operações”.


Procuradas, as operadoras ferroviárias Rumo e MRS Logística não se manifestaram, assim como transportadoras, seguradoras e tradings.


A SSP-SP diz, por meio de nota, que está ciente dos indicadores da Baixada Santista e tem concentrado esforços para combater essa modalidade criminosa.


Fonte: Estadão



Notícias Relacionadas
 CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

24/05/2024

CNT realiza pesquisa para avaliar o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul sobre as empresas

Para que a CNT (Confederação Nacional do Transporte) desenvolva medidas de apoio mais eficazes aos transportadores impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a Confederação está re (...)

Leia mais
 Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

24/05/2024

Estudo sobre frotas sustentáveis aponta inovação e investimento sem precedentes em momento de transição energética ativa

Agora em sua quinta edição, o relatório State of Sustainable Fleets 2024, divulgado nesta segunda-feira (20), lança luz sobre um setor que está passando por um momento de transição ativa (...)

Leia mais
 JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

23/05/2024

JSL investe em simulador de direção para mais segurança dos motoristas

Com foco na segurança e treinamento de sua equipe de motoristas, a JSL, empresa com o maior portfólio de serviços logísticos do país, investiu R$ 2 milhões na aquisição de um simulador d (...)

Leia mais

© 2024 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.