14/02/2022

Estoques baixos impulsionam preço global das commodities

 Estoques baixos impulsionam preço global das commodities


Os estoques de algumas das commodities mais importantes da economia mundial encontram-se nos menores níveis históricos, com a demanda aquecida e a escassez de oferta ameaçando alimentar pressões inflacionárias em todas as partes do mundo.

De metais industriais e energia até a agricultura, a corrida por matérias-primas e alimentos básicos está se refletindo nos mercados futuros, onde um grande número de commodities entrou em “backwardation”- uma estrutura de preços que sugere escassez \quando o preço para entrega no curto prazo excede o de longo prazo].

Os problemas são particularmente graves nos metais, onde os preços no mercado à vista (spot) de vários contratos na London Metal Exchange (LME) estão sendo negociados a valores maiores que os de entrega posterior, pois os traders pagam grandes prêmios para garantir fornecimento imediato.

“Este é o cenário de estoques mais extremo”, diz Nicholas Snow-don, analista do Goldman Sachs. “É um caso totalmente sem precedentes. Não há resposta da oferta.”

A escassez ocorre num cenário de inflação global persistentemente alta, alimentada por interrupções logísticas e pela demanda reprimida após as economias se recuperam dos “lockdowns” impostos contra a covid. Os preços ao consumidor nos EUA tiveram, em janeiro, a maior alta anual em quatro décadas, batendo nos 7,5%.

Os estoques de cobre nas maiores bolsas de commodities estão em pouco mais de 400 mil toneladas, o que representa menos de uma semana do consumo global. Os estoques de alumínio também estão baixos, pois produtores na Europa e na China foram forçados a reduzir a produção por causa da disparada dos custos de energia.

“Os estoques estão baixos, não só nos depósitos da bolsa, mas em toda a cadeia de abastecimento”, diz Michael Widmer, analista do Bank of America. “Há um colchão de segurança limitado no sistema.” O alumínio bateu na semana passada o maior preço em 13 anos, de mais de US$ 3.200 a tonelada, após o Goldman Sachs dizer que os estoques podem se esgotar até 2023.

Os cortes na produção são só um fator por trás da escassez de oferta, que levou o índice Bloomberg Commodity Spot Index, medida importante das matérias-primas, a subir mais de 10% desde o início do ano, atingindo um patamar recorde neste mês. Nove dos 23 contratos futuros que perfazem o índice estão em “backwardation”, segundo dados da Refinitiv.

Outros fatores da escassez incluem falta de investimentos em novas minas e campos de petróleo, clima ruim e restrições nas cadeias de abastecimento causadas pela disseminação da covid-19.

Na sexta-feira, a Agência Internacional de Energia (AIE) alertou que os preços do petróleo, que já são negociados acima de US$ 90 o barril, poderão subir ainda mais, à medida que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados têm dificuldade para retomar a produção após o pior da pandemia.

“Se a diferença entre a produção real da Opep e suas metas continuar, as tensões na oferta aumentarão, reforçando a probabilidade de mais volatilidade e pressão de alta sobre os preços”, disse a AIE.

Na Europa, os preços do gás também continuam altos em meio ao aumento das tensões geopolíticas envolvendo a Ucrânia e fluxos menores vindos da Rússia. Os estoques de gás no continente estão abaixo das médias sazonais, segundo a consultoria ICIS, especializada em commodities. “O risco de escassez até o fim do primeiro trimestre é remoto, mas o mercado terá de garantir uma oferta significativa durante o terceiro trimestre para evitar o retorno dessas preocupações no próximo inverno”, diz Thomas Rodgers, analista europeu da ICIS especializado em gás.

Nos mercados agrícolas, as reservas do café arábica, o grão de maior qualidade, caíram ao menor nível em 22 anos. As interrupções no fornecimento e as exportações menores dos produtores da América Central levaram os estoques do café arábica na bolsa de futuros ICE ao menor nível em mais de duas décadas, à medida que os compradores de café correm para assegurar seus suprimentos.

Carlos Mera, analista sênior do Rabobank, diz que até agora a queda dos estoques de café em 2022 é “surpreendente”. Uma queda maior poderá elevar significativamente “a possibilidade de um aumento descontrolado dos preços”.

Recentemente, os preços do arábica na ICE atingiram o maior patamar em 10 anos, de US$ 2,59 a libra-peso, um aumento de 13% desde o começo do ano e mais que o dobro do preço de um ano atrás.

As crises de oferta também estão atingindo outros mercados. O Citigroup estima que a demanda por lítio, matéria-prima vital na produção de baterias, superará a oferta em 6% neste ano por causa da vendas de mais carros elétricos.

O carbonato de lítio para baterias subiu mais de 400% em 2021, para mais de US$ 50 mil a tonelada. Com os estoques limitados, analistas dos Citigroup acreditam que preços “extremos” serão necessários para “destruir a demanda” e equilibrar o mercado.



Fonte: [Valor Econômico

Notícias Relacionadas
 Em um mês, Minfra intensifica ações para impulsionar transporte ferroviário pelo país

04/10/2022

Em um mês, Minfra intensifica ações para impulsionar transporte ferroviário pelo país

Pelo segundo ano consecutivo, o Ministério da Infraestrutura dedicou o mês de setembro a ações que incentivam a modernização do transporte sobre trilhos no país e a ampliação da malha fe (...)

Leia mais
 Rodovias e frota levam Brasil à perda de 30% de combustível

04/10/2022

Rodovias e frota levam Brasil à perda de 30% de combustível

A logística no Brasil precisa de intervenções urgentes nos próximos 15 anos para não entrar em colapso. Mesmo com um território continental, 62% de toda carga é transportada por rodovias (...)

Leia mais
 Grupo Coopercarga adquire o controle da TSV Transportes Rápidos

04/10/2022

Grupo Coopercarga adquire o controle da TSV Transportes Rápidos

Foi celebrado, na semana passada, o contrato de compromisso para aquisição pelo Grupo Coopercarga do controle da empresa TSV Transportes Rápidos, que atua com cargas fracionadas de alto (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.