29/04/2022

Bloqueios na China são risco maior à economia global que guerra na Ucrânia, diz CEO da DHL



Os bloqueios prolongados na China representarão um risco maior para o comércio global e as perspectivas de crescimento econômico do que a guerra na Ucrânia, disse o executivo-chefe (CEO) da maior empresa de logística da Europa ao “Nikkei Asia”.


Frank Appel, CEO da Deutsche Post DHL Group, gigante da logística com sede na Alemanha, disse na semana passada que as medidas de bloqueio relacionadas à covid-19 em Xangai e nos arredores criaram incertezas para as cadeias de produção e suprimentos.


Isso pode prejudicar o crescimento econômico global se os bloqueios continuarem, disse ele, citando economistas e suas próprias observações sobre o setor.


"A imagem do bloqueio da China está mudando diariamente. Isso terá impactos significativos no comércio da China para a China", disse Appel. "O impacto no comércio e na economia será bastante significativo, maior do que o impacto da guerra entre Rússia e Ucrânia, pois o mercado é muito grande."


As províncias de Xangai e Jiangsu, que abrigam o maior centro de fabricação de eletrônicos do mundo, ainda estão sob bloqueios ou controles rígidos de tráfego, pois o governo segue sua política de "zero covid".


Algumas empresas na cidade de Kunshan (em Jiangsu) receberam luz verde para retomar as operações na sexta-feira passada, apenas para ter essa permissão revogada no mesmo dia após a descoberta de vários casos não sintomáticos.


Apesar da situação dinâmica, Appel disse que sua empresa ainda está relativamente otimista de que as atividades de fabricação se recuperarão assim que os bloqueios forem afrouxados. “A China provou ser muito ágil em recuperar o atraso após o bloqueio”, disse o CEO, referindo-se a como a maior economia da Ásia respondeu a dois anos de pandemia.


Appel também observou, no entanto, que os economistas estão alertando para uma possível recessão se as medidas rígidas da covid durarem muito mais do que o previsto ou se os preços da energia continuarem subindo.


"Estou mais preocupado com o crescimento geral do PIB. No momento, o mundo ainda está prevendo um crescimento, embora não tão bom quanto era", disse Appel. "Se não entrarmos em recessão, acho que as perspectivas para o setor de logística são muito boas, principalmente para empresas como nós."


Appel disse que sua empresa suspendeu as operações na Ucrânia "desde o primeiro dia" e interrompeu seus negócios na Rússia, exceto aqueles relacionados a produtos humanitários e de ciências da vida. O impacto desses movimentos na DHL é limitado, já que a receita combinada dos dois países é inferior a 1% do total da empresa, disse o CEO.


A região da Ásia-Pacífico respondeu por cerca de 19% da receita da empresa, mostrou seu relatório anual, enquanto a Europa, incluindo a Alemanha, contribuiu com mais de 55% da receita e as Américas com mais de 21%.


O setor de logística mais amplo ainda enfrenta várias restrições, incluindo o número reduzido de voos de passageiros entre a Ásia e a Europa e entre a Ásia e os Estados Unidos, o que limita a “capacidade de espaço na barriga” dos aviões para frete aéreo, explicou o CEO.


Além disso, alguns portos na China estão fechados e as transportadoras russas não podem mais ser usadas devido a sanções. A DHL tem alguns contêineres presos na Rússia, disse Appel, acrescentando que também há escassez de caminhoneiros na China, Europa e Estados Unidos.


"No geral, sim, haverá restrições. Essa é a razão pela qual os níveis de preços serão elevados e isso significa que os clientes devem esperar preços mais altos", disse Appel. "Tenho certeza de que ainda teremos uma situação restrita para o Natal, mas não pior do que no ano passado. Se a situação de bloqueio na China durar os próximos dois meses, é claro que a situação será muito diferente. "


A DHL, que tem mais de 400 mil funcionários em todo o mundo, registrou receita recorde de 81,74 bilhões de euros em 2021, um aumento de mais de 22% no ano. A empresa espera um crescimento ainda maior este ano.


Um fator positivo para a DHL é a tendência de os fabricantes diversificarem suas cadeias de suprimentos fora da China, o que aumentou a complexidade da logística, mas estimulou uma demanda robusta pelos negócios regionais da DHL. A empresa vem adicionando funcionários em todos os mercados asiáticos, incluindo Japão, Coreia do Sul, China e Taiwan, disse Appel.


Olhando para o futuro, a gigante da logística disse que está apostando muito em iniciativas verdes.


O combustível sustentável representará 30% do total usado no transporte aéreo da DHL até 2030, disse Appel, e a empresa está investindo 7 bilhões de euros para tornar a empresa mais verde antes do fim desta década. Seu plano inclui ampliar o que já é a maior frota de veículos elétricos do mundo - cerca de 20 mil unidades atualmente - para entregas.


"Ainda é uma pequena parte de nossa pegada total de carbono, mas é um primeiro passo", disse Appel. "Nossos clientes business-to-business, que respondem por mais de 90% do nosso negócio, exigem soluções livres de carbono. Eles sofrem pressão de seus próprios acionistas, pedindo-lhes que avancem mais."


"Vamos fornecer a eles soluções sem carbono, o que nos permitirá acelerar nossa jornada", afirmou.


Fonte: Valor Econômico



Notícias Relacionadas
 Transportadoras não conseguem absorver alta de combustíveis e frete deve ficar mais caro

23/06/2022

Transportadoras não conseguem absorver alta de combustíveis e frete deve ficar mais caro

Em um país no qual todo tipo de mercadoria depende de transporte rodoviário para chegar ao consumidor, subir os preços dos combustíveis aumenta os riscos de uma inflação mais elevada e d (...)

Leia mais
 A lógica da logística

06/05/2022

A lógica da logística

Por Guy Perelmuter, engenheiro da computação e mestre em Inteligência ArtificialO navio cargueiro Ever Given — com 400 metros de comprimento, quase do mesmo tamanho q (...)

Leia mais
 JSL lucra R$ 33 milhões

06/05/2022

JSL lucra R$ 33 milhões

A JSL, empresa de logística do grupo Simpar, divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2022, com lucro líquido de R$ 33 milhões, o representou margem de 2,5%, informou a companhia em c (...)

Leia mais

© 2022 ABOL - Associação Brasileira de Operadores Logísticos. CNPJ 17.298.060/0001-35

Desenvolvido por: KBR TEC

|

Comunicação: Conteúdo Empresarial

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.