Selo ABOL

« voltar para notíciasApós pres­são do Pla­nal­to, Su­pre­mo adia de­ci­são so­bre ta­be­la do fre­te

Dias antes do jul­ga­men­to que po­de­ria dar um des­fe­cho pa­ra a no­ve­la do ta­be­la­men­to do fre­te, ini­ci­a­da há um ano e três me­ses com a gre­ve de ca­mi­nho­nei­ros, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) re­sol­veu es­ti­car o pra­zo e re­ti­rou da pau­ta as três ações que dis­cu­tem a ques­tão.

O ple­ná­rio da cor­te ana­li­sa­ria a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da Lei 13.703/18, que es­ta­be­le­ceu a po­lí­ti­ca de pi­sos mí­ni­mos do fre­te na pró­xi­ma quar­ta-fei­ra, dia 4. Mas os re­cur­sos fo­ram ex­tin­tos da pau­ta por or­dem do re­la­tor, mi­nis­tro Luiz Fux. Se­gun­do o Va­lor apu­rou, par­tiu do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, sob a ar­ti­cu­la­ção do mi­nis­tro-che­fe da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni — um dos in­ter­lo­cu­to­res do mo­vi­men­to dos ca­mi­nho­nei­ros no go­ver­no —, a ofen­si­va pa­ra que a aná­li­se fos­se adi­a­da.

In­ter­lo­cu­to­res do tri­bu­nal di­zem que o adi­a­men­to foi um pe­di­do da Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União (AGU). O ad­vo­ga­do-ge­ral da União, mi­nis­tro An­dré Men­don­ça, te­ria ex­pli­ca­do a Fux que não ha­via con­se­gui­do des­pa­char com to­dos os mi­nis­tros so­bre o as­sun­to, fa­to que tra­ria mais se­gu­ran­ça pa­ra os mi­nis­tros to­ma­rem a de­ci­são. “O go­ver­no es­ta­va com re­ceio de que o STF con­si­de­ras­se a ta­be­la in­cons­ti­tu­ci­o­nal, con­tra­ri­an­do os ca­mi­nho­nei­ros”, diz uma fon­te a par do as­sun­to.

O mo­vi­men­to do STF tam­bém se deu em meio em meio à mo­vi­men­ta­ção de ca­mi­nho­nei­ros, que pre­pa­ra­vam mo­bi­li­za­ções em to­do o país a par­tir de se­gun­da-fei­ra. A ideia dos mo­to­ris­tas era de­mons­trar for­ça de maneira co­or­de­na­da pa­ra pres­si­o­nar o tri­bu­nal: gru­pos se reu­ni­ri­am em tre­vos, co­lo­ca­ri­am fai­xas e even­tu­al­men­te bar­ra­ri­am ca­mi­nhões de mo­to­ris­tas autô­no­mos. No dia 4, o mo­vi­men­to se­ria in­ten­si­fi­ca­do e os ca­mi­nho­nei­ros não acei­ta­ri­am car­ga.

Ao mes­mo tem­po em que aten­deu ao go­ver­no, o adi­a­men­to não de­sa­gra­dou os ca­mi­nho­nei­ros. Sem de­ci­são do STF, afi­nal, a po­lí­ti­ca de pi­sos mí­ni­mos do fre­te per­ma­ne­ce em vi­gor. Do ou­tro la­do do bal­cão, po­rém, a me­di­da de Fux não foi bem re­ce­bi­da. Pa­ra os em­bar­ca­do­res, a pa­la­vra dos mi­nis­tros tra­rá se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca. Uma reu­nião de emer­gên­cia foi con­vo­ca­da pa­ra ho­je, pa­ra dis­cu­tir o que fa­zer. Por ora, di­zem não ha­ver ne­go­ci­a­ção em cur­so.

As Ações Di­re­tas de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de fo­ram pro­pos­tas pe­la Con­fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria do Bra­sil (CNA), pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI) e pe­la As­so­ci­a­ção do Trans­por­te Ro­do­viá­rio do Bra­sil (ATR Bra­sil, re­pre­sen­tan­tes dos con­tra­tan­tes de fre­te).

Fux vi­nha sen­do acon­se­lha­do a cons­truir um vo­to pe­la in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da ta­be­la obri­ga­tó­ria de fre­tes, mas con­si­de­rá-la re­fe­ren­ci­al, em li­nha com o que o go­ver­no de­fen­de. Por ou­tro la­do, Fux tam­bém aguar­da­va as negociações con­du­zi­das pe­lo go­ver­no em tor­no da ta­be­la de re­fe­rên­cia.

Pa­ra in­ter­lo­cu­to­res que acom­pa­nham a dis­cus­são so­bre o ta­be­la­men­to, a re­ti­ra­da de pau­ta si­na­li­za que os es­for­ços do go­ver­no na ne­go­ci­a­ção com os ca­mi­nho­nei­ros não avan­ça­ram.

Ca­mi­nho­nei­ros e em­bar­ca­do­res che­gam às vés­pe­ras do jul­ga­men­to em po­si­ções opos­tas, que se mos­tra­ram im­pos­sí­veis de con­ci­li­ar nes­se úl­ti­mo ano. Ca­pi­ta­ne­a­do pe­lo mi­nis­tro da In­fra­es­tru­tu­ra, Tar­cí­sio Go­mes de Frei­tas, o go­ver­no ten­tou di­ver­sas for­mas de acor­do. O im­pas­se cris­ta­li­zou­se a ponto de não te­rem si­do con­vo­ca­das reu­niões na se­ma­na que pas­sou. E nin­guém re­cla­mou.

“Ho­je qual é o im­pas­se da ne­go­ci­a­ção? Eles que­rem que a ta­be­la se­ja re­fe­ren­ci­al, e nós, que [a ta­be­la] se­ja vin­cu­la­ti­va”, dis­se o ca­mi­nho­nei­ro Wal­la­ce Lan­dim, o Cho­rão, li­de­ran­ça do se­tor.

A lei man­dou que fos­se ela­bo­ra­da ou­tra ta­be­la, mais com­ple­ta, se­guin­do o ri­to re­gu­la­tó­rio da Agên­cia Na­ci­o­nal de Trans­por­tes Ter­res­tres (ANTT). Foi ela­bo­ra­da pe­la Es­co­la Su­pe­ri­or de Agri­cul­tu­ra Luiz de Qu­ei­roz (Esalq). Quan­do en­trou em vi­gor, pro­vo­cou protestos dos ca­mi­nho­nei­ros e foi re­vo­ga­da. Eles ale­gam que a ta­be­la co­bre ape­nas os cus­tos. Mas pre­ci­sam de uma mar­gem de lu­cro. Em­bar­ca­do­res con­cor­da­ram em ne­go­ci­ar um adi­ci­o­nal so­bre a ta­be­la da Esalq, des­de que ela fos­se re­fe­ren­ci­al, e não obri­ga­tó­ria.

(Fonte: Valor Econômico) 

(Para upload de curriculum,
acesse o site via desktop)