Selo ABOL

« voltar para notíciasANUÁRIO DO TRANSPORTE DE CARGA 2019 DÁ DESTAQUE AOS 7 ANOS DA ABOL EM CADERNO ESPECIAL DE OPERADORES LOGÍSTICOS

ANUÁRIO DO TRANSPORTE DE CARGA 2019 DÁ DESTAQUE AOS 7 ANOS DA ABOL EM CADERNO ESPECIAL DE OPERADORES LOGÍSTICOS

A Associação Brasileira dos Operadores Logísticos completa sete anos e se consolida como a principal representante das empresas do setor. O diretor-presidente da entidade, Cesar Meireles, pontua, em entrevista, um pouco da história, metas e objetivos da entidade

Sete anos atrás, um grupo de empresários do setor da logística reuniu-se ao redor de uma mesa e começou a esboçar as bases do que viria a ser a associação que encabeçaria o projeto de formalizar, reconhecer, regulamentar e consolidar a figura do operador logístico no Brasil. até então, esta classificação perdia-se entre outras associadas ao transporte e movimentação de cargas. Transportador, armazenador, integrador, contratador, prestador de serviços logísticos...não estavam claras as fronteiras de atuação entre as atividades.

À frente da ABOL – Associação Brasileira dos Operadores Logísticos desde a sua fundação, Cesar Meireles, diretor presidente da entidade, afirma que o operador logístico faz parte de um setor que vem se consolidando há quase 30 anos. “Nesse processo de três décadas, fixo um ponto de início muito claro, épico, que foi o fim da Guerra Fria e a abertura dos mercados.

Só existe a necessidade de um prestador de serviço logístico estruturado, completo e apto a atender às demandas sofisticadas e pluralizadas dos embarcadores quando se ganha escala comercial, quando se tem movimento efetivo de cargas e em todas as cadeias produtivas. antes tinha-se muita movimentação, mas de commodities minerais e agrícolas, sendo as demais movimentações de natureza doméstica, preponderantemente. A partir do momento em que se pluraliza o comércio, as soluções são particularizadas. Cada segmento, cada cadeia produtiva tem seu conjunto de problemas e necessidades de soluções e é nesse momento que a atuação de um operador logístico faz toda a diferença”. No Brasil, Meireles entende que o ponto de real infl exão acontece em 1994, com o controle da inflação. A desvalorização incessante e a escalada de preços pressionava os empresários a focar em soluções financeiras para controlar o impacto do processo inflacionário nos negócios. Em muitos casos, não havia foco na busca por excelência. “Quando se encerra o ciclo da inflação, em 1994, emergem as ineficiências”, conta o diretor presidente da ABOL, que acrescenta: “É, então, a partir do momento que se exige mais sofisticação do mercado, buscando um prestador de serviço que compreenda esse processo de forma integral e não só de atividades isoladas, aí sim estamos falando do operador logístico, ou do Third Party Logistics Provider (3pl), como conhecido em todo o mundo.”


LEIA MAIS: Anuário de Carga 2019 - Operador logístico 139 à 179.pdf

(Para upload de curriculum,
acesse o site via desktop)