« voltar para publicaçõesABOL promove palestra do presidente da GLP Brasil

Mauro Dias falou sobre a atual realidade do setor de galpões logísticos no Brasil

Próxima de completar cinco anos de atividades, a Associação Brasileira de Operadores Logísticos (ABOL) promoveu, em 24 de maio, mais um ciclo de palestras. Desta vez, o executivo Mauro Dias, presidente da GLP Brasil, empresa associada da entidade, falou sobre a atual situação do setor de galpões logísticos em nosso país.

Em linhas gerais, Dias explicou que a busca por eficiência movimentou o setor de galpões logísticos nos últimos dois anos. O total da absorção bruta do mercado em 2016 foi de 1,4 milhão de metros quadrados, quando a retração da economia brasileira superou os 3%. “Nossa recomendação é fazer conta antes de alugar um galpão, já que a análise vai além do custo de locação por m²”, explica. Segundo ele, é importante calcular o valor por posição/palete que varia de acordo com a eficiência do empreendimento, o que pode reduzir o custo em até 24%. “Um dos segmentos que mais buscaram novas instalações, mais modernas e eficientes, foi o de e-commerce, que hoje responde por cerca de 22% do total das locações da GLP. Atualmente, o portfólio da empresa no mundo é de 55 milhões de m², sendo 3,8 milhões de m² no Brasil”, falou ao público presente.

O presidente executivo da ABOL, Cesar Meireles, informa que a parceria com a GLP Brasil teve início no ano passado II Congresso de Planejamento Estratégico. Segundo ele, a palestra trouxe ampla gama de dados e informações as quais contribuíram muito para o evento. “Mauro Dias, além de nos apresentar excelentes elementos para análise, propiciou amplo debate sobre questões fundamentais, como localização estratégica de armazéns, matriz energética utilizando-se de fontes de energia renovável e/ou de baixo consumo, bem como apresentação de métodos e características construtivas de vanguarda”, afirmou.

Já Oswaldo Dias de Castro Jr., presidente do Conselho da ABOL, enfatiza que os operadores logísticos caracterizam-se por serem organizações com baixa ativação (asset light); ou seja, utilizam-se preponderantemente os ativos de terceiros. “A parceria com a GLP Brasil nos tem trazido a possibilidade de não só estarmos lado-a-lado com um dos principais atores do setor de real state no mundo, como, em decorrência, permite-nos melhor planejarmos nossos projetos futuros, haja vista que a GLP Brasil dispõe de estudos atualizados com informações bastante calibradas para nosso setor”, explica.

Mauro Dias chama a atenção para a importância das parcerias, em geral, e com a ABOL, em particular. “Incrementar as parcerias é sempre uma ótima maneira de aprimorar os negócios. A parceria com a ABOL nos proporciona ampliar o contato com o setor, o que é essencial para entender suas reais necessidades e continuar oferecendo as melhores soluções em instalações logísticas modernas”, finaliza o presidente da GLP Brasil.